FolhaPress

Justiça aceita denúncia e assessor de Bolsonaro vira réu acusado de gesto racista

Felipe Martins virou réu por gesto racista. Decisão foi tomada pelo juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos

Felipe Martins virou réu por gesto racista. Decisão foi tomada pelo juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos
Felipe Martins virou réu por gesto racista. Decisão foi tomada pelo juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos (Foto: reprodução/ Instagram)

A Justiça Federal de Brasília aceitou a denúncia do MPF (Ministério Público Federal) contra o Filipe Martins, assessor para assuntos internacionais do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Com isso, Martins virou réu por gesto racista. A decisão foi tomada pelo juiz federal Marcus Vinicius Reis Bastos.

Martins fez um gesto com a mão que, com três dedos abertos (simbolizando a letra “w”) e o indicador se juntando ao polegar (formando um “p”), significa “white power” (em português: poder branco), sendo um símbolo para grupos supremacistas.

No último dia 9, o MPF denunciou Filipe Martins por, durante uma sessão no Senado Federal, realizar um gesto ligado a grupos racistas e supremacistas. Em nota, o MPF disse que descartou a possibilidade de casualidade no comportamento de Filipe Martins no Senado e que “ficou evidente” que o assessor “tinha consciência do conteúdo, do significado e da ilicitude do seu gesto”.

Na ocasião, o advogado João Vinicius Manssur, que representa Martins, disse em nota que a acusação não tinha embasamento. “A história de vida de Filipe Martins e suas lutas pelas liberdades públicas e pelos direitos fundamentais caminham a seu favor”, afirmou o advogado.