Laudo do IML aponta que homem foi asfixiado durante abordagem da PRF, em SE

A vítima Genivaldo de Jesus sofria de transtornos mentais

O MPF-GO ajuizou ação civil pública para solicitar o retorno do curso de Direitos Humanos na formação de agentes da PRF. Foto: Reprodução - Redes Sociais
O MPF-GO ajuizou ação civil pública para solicitar o retorno do curso de Direitos Humanos na formação de agentes da PRF. Foto: Reprodução - Redes Sociais

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Sergipe, divulgado nesta quinta-feira (26), aponta que Genivaldo de Jesus Santos, 38 anos, morreu por asfixia mecânica e insuficiência respiratória aguda após abordagem da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na última quarta-feira (25). O homem não resistiu depois de ser preso por dois policiais dentro de uma espécie de “câmara de gás” montada no porta-malas da viatura da corporação.

O corpo de Genivaldo foi liberado do IML de Aracaju por volta das 22h30 de quarta. A causa da morte foi confirmada pela Secretaria de Segurança Pública do estado.

Familiares disseram que a vítima sofria de esquizofrenia. Ele era casado e deixa um filho. O velório de Genivaldo de Jesus ocorrerá na casa da mãe, em Santa Luiza do Itanhy.

Abordagem à Genivaldo

Um sobrinho de Genivaldo contou que o tio foi abordado na Rodovia BR-101 quando pilotava uma motocicleta. Os policiais pediram que ele colocasse as mãos para o alto e, durante a revista, o questionaram sobre algumas cartelas de comprimidos achadas em seu bolso.

Segundo o sobrinho, o tio tomava medicamentos. Genivaldo ficou nervoso e questionou os policiais, que fizeram uso de spray pimenta e o colocaram no porta-malas do camburão.

Ainda conforme a testemunhas, foi nesse momento que os agentes lançaram outro tipo de gás contra o homem, que já havia sido colocado no porta-malas.

Genivaldo foi levado para a delegacia da Polícia Civil, onde foi constatado que a vítima estava desacordada. O homem ainda foi levado a um hospital, mas não resistiu.

Caráter de urgência

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil de Sergipe, informou que acompanha, “de forma vigilante, os desdobramentos das investigações sobre o episódio”.

“A OAB Sergipe respeita as instituições, mas não compactua com qualquer tipo de violência ou de tortura, razão pela qual se manterá atenta à apuração da responsabilidade pela fatídica morte”, diz a instituição.

“Também estamos nos colocando à disposição dos familiares da vítima para dar toda a assistência necessária, sempre mantendo o respeito aos profissionais policiais e à instituição PRF, no acompanhamento das responsabilidades cabíveis”, finaliza.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por OAB Sergipe (@oabsergipe)

“Instrumentos de menor potencial ofensivo”

A PRF também emitiu uma nota sobre o episódio. Leia na íntegra:

“Na data de hoje, 25 de maio de 2022, durante ação policial na BR-101, em Umbaúba-SE, um homem de 38 anos resistiu ativamente a uma abordagem de uma equipe PRF. Em razão da sua agressividade, foram empregados técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo para sua contenção e o indivíduo foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil em Umbaúba.

Durante o deslocamento, o abordado veio a passar mal e socorrido de imediato ao Hospital José Nailson Moura, onde posteriormente foi atendido e constatado o óbito.

A equipe registrou a ocorrência na Polícia Judiciária, que irá apurar o caso. A Polícia Rodoviária Federal em Sergipe lamenta o ocorrido e informa que foi aberto procedimento disciplinar para averiguar a conduta dos policiais envolvidos”.

*Com informações do Metrópoles e Estadão