Maguito completa 40 dias internado; veja como foi a luta do prefeito até aqui

Prefeito eleito de Goiânia soube da vitória na noite de domingo e, segundo o filho, Daniel Vilela, foi às lágrimas

Prefeito eleito de Goiânia, Maguito Vilela (Foto: acervo pessoal)
Prefeito eleito de Goiânia, Maguito Vilela (Foto: acervo pessoal)

O prefeito eleito de Goiânia, Maguito Vilela (MDB), completa, nesta terça-feira, 40 dias internado para tratamento da covid-19. Desde que foi entubado para receber ventilação mecânica invasiva, o candidato alternou raros momentos de lucidez. Um deles, segundo o filho, Daniel Vilela, aconteceu na noite do último domingo, quando Maguito foi às lágrimas ao saber que havia vencido a disputa mais atípica da história da Capital, com 277.497 votos. 

Na primeira semana como prefeito eleito, Maguito vive, embora inconsciente na maior parte do tempo, a expectativa de recuperar a autonomia respiratória e dar aos médicos a certeza de que não precisa mais da ECMO, um aparelho que reduz a sobrecarga que incide sobre os pulmões e o coração. Daniel disse, em uma das entrevistas concedidas após a apuração, que o pai já recuperou a capacidade de absorver oxigênio, mas ainda precisa de auxílio para descartar o gás carbônico produzido pelo corpo. A esperança é a de que isso já aconteça nesta semana. 

Caso as previsões otimistas se confirmem, Maguito poderá ser extubado e a sedação, suspensa. De volta à consciência, faltará pouco para que ele enfim consiga conduzir o processo de transição e coordenar os preparativos para o início do seu mandato. O Mais Goiás recapitula agora como foi o calvário de 40 dias do prefeito eleito e a batalha mais dura que ele já travou em toda a sua vida – contra um vírus que já matou suas irmãs Nelita, de 82 anos; e Nelma, de 76. 

Diagnóstico

O teste que confirmou a contaminação por coronavírus saiu no dia 20 de outubro deste ano. 

Internação

No dia 22 de outubro, Maguito foi internado no hospital Órion, em Goiânia. 

Agravamento

Diagnosticado com covid-19, o candidato a prefeito por Goiânia, Maguito Vilela, foi transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo | Foto: Divulgação

Maguito é transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo | Foto: Divulgação

No dia 27 de outubro, o boletim médico informou que a capacidade respiratória do então candidato a prefeito estava até 75% comprometida, por causa de uma inflamação decorrente da covid-19. O nível de saturação de oxigênio no sangue do paciente caiu a ponto crítico.

Maguito foi transferido para o hospital Albert Einstein, em São Paulo, na companhia do seu genro e médico pneumologista, Marcelo Rabahi. 

Tratamento

Depois de três dias internado em São Paulo, em 30 de outubro, o agora prefeito eleito de Goiânia seria intubado pela primeira vez. 

Reação

Maguito recuperou a autonomia respiratória e conseguiu voltar a respirar sem o auxílio da ventilação mecânica invasiva no dia 8 de novembro. 

Maguito continua com redução progressiva do equipamento ECMO

Última foto de Maguito que foi divulgada, no dia 12 de novembro (Crédito: assessoria)

Nova piora

No dia 15 de novembro, Maguito voltou a convalescer com a deficiência respiratória e foi intubado pela segunda vez. 

Pulmão mecânico

No dia 17 de novembro, a equipe de médicos que assiste o candidato decidiu que ele deveria ser submetido a um aparelho chamado ECMO, que ajuda a reduzir a sobrecarga que incide sobre os pulmões e o coração. A ECMO auxilia na oxigenação do sangue. 

Lágrimas

Em um dos raros momentos de lucidez desde que foi entubado, Maguito foi informado por uma enfermeira do Einstein, na noite do dia 29 de novembro, que havia sido eleito prefeito de Goiânia. De acordo com Daniel Vilela, Maguito chorou.