Marcius Melhem deixa a Globo após 17 anos

Humorista estava de licença do trabalho desde março, após uma polêmica envolvendo denúncias de assédio moral

Marcius Melhem deixa a TV Globo após 17 anos na emissora
(Foto: Reprodução)

Marcius Melhem não é mais funcionário da TV Globo. No final da tarde desta sexta-feira (14), a emissora divulgou um comunicado informando a saída do coordenador do departamento de humor. Melhem deixa a emissora depois de 17 anos de casa.

Leia na íntegra o comunicado da Comunicação da Globo:

A Globo e Marcius Melhem, em comum acordo, encerraram a parceria de 17 anos de sucessos. O artista, que deu importante contribuição para a renovação do humor nas diversas plataformas da empresa, estava de licença desde março para acompanhar o tratamento de saúde de sua filha no Exterior. Como todos sabem, a Globo tem tomado uma série de iniciativas para se preparar para os desafios do futuro e, com isso, adotado novas dinâmicas de parceria com atores e criadores em suas múltiplas plataformas. Os conteúdos de humor, assim como os de dramaturgia diária e semanal, continuam sob a liderança de Silvio de Abreu, diretor de Dramaturgia da Globo.

O humorista estava de licença do trabalho desde março, após uma polêmica envolvendo denúncias de assédio moral. As denúncias foram feira por atrizes do núcleo de humor da Globo, como Dani Calabresa e Maria Clara Gueiros. As informações são do colunista Leo Dias.

O assunto foi tratado internamente na emissora. De acordo com Leo Dias, Marcelo Adnet teria testemunhado a favor das atrizes. Na época, a TV Globo divulgou um comunicado para a imprensa, confira:

“Todo relato de assédio, moral ou sexual, na Globo é apurado criteriosamente assim que tomamos conhecimento. A Globo reafirma que não aceita qualquer tipo de assédio e, neste sentido, mantém um canal aberto para denúncias de violação às regras do Código de Ética do Grupo Globo”.

Nenhuma das atrizes comentou a situação publicamente. Dani Calabresa, entretanto, teria dado uma indireta nas entrelinhas de um post nas redes sociais. “2019 foi uma eterna prova do líder. To até agora esperando o Bial ou Tiago Leifert me avisarem que posso me mexer e ir mijar em paz”, escreveu.

Considera-se como assédio moral a exposição do colaborador a situações humilhantes e constrangedoras por várias vezes no período de trabalho. Marcius Melhem não comentou o assunto.