Marcos é expulso do Big Brother Brasil 17 com indícios de agressão física

Após inquérito aberto pela Delegacia da Mulher do Rio de Janeiro e uma nova conversa com Emilly, indícios de agressão foram comprovados

Na noite desta segunda-feira (10), após um inquérito aberto pela delegada Viviane da Costa, da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM) de Jacarepaguá, Marcos foi expulso do Big Brother Brasil 17. Ela foi ao Projac e pediu para analisar as imagens das discussões entre ele e Emilly.

“O BBB reflete a vida e, como nela, as decisões precisam ser feitas de forma firme”, disse Tiago Leifert na abertura da edição desta segunda. “Com base no inquérito, tivemos uma nova conversa com Emilly, com um exame médico (de corpo de delito). A Globo agiu firmemente no caso, envolvendo advogados e psicólogos”, continuou ele.

“Na conversa ficaram claros indícios de agressão física”, contou. Como já falaram anteriormente, agressão física não é admissível no reality show. Com isso, a produção decidiu expulsar o cirurgião da casa.

“Eu vou ser forte”

A produção decidiu comunicar à casa a expulsão de Marcos ao vivo. “Conversamos com especialistas e decisões devem ser tomadas com base em provas”, disse Tiago a Emilly, Ieda e Vivian, as três finalistas do reality. Após o comunicado, a gaúcha desabou em lágrimas.

“Emilly, nesses casos, a casa está inserida em um contexto muito maior, o contexto da Lei”, explicou Leifert. “A vítima precisa ir ao Confessionário e reclamar em um caso de agressão. Nas imagens que a gente viu, não houve necessidade disso. Só de olhar os vídeos, a delegada pôde pedir a investigação”, continuou.

O apresentador reiterou que a jovem pode procurar ajuda com a produção do programa sempre que precisar. “Eu não entendo o que está acontecendo”, respondeu ela, incrédula. “Emilly, você não tem culpa de nada do que está acontecendo”, ressaltou Leifert. A gaúcha, então, mandou um recado para a família: “eu vou ser forte”.

“Agressão é um conceito muito amplo”

Leifert despediu-se das mulheres. Após o apresentador sumir da tela, Emilly desabou em lágrimas e foi amparada por Vivian e Ieda. A amazonense acalmou a gaúcha, explicando que agressão é um conceito muito abrangente. “Não é só dar porrada”, disse. “Às vezes, ele estava invadindo seu espaço, sem você saber”, continuou.

Ieda relembrou o beliscão que o médico deu em Emilly em uma das festas. “Isso aqui no seu braço, você acha que eles não viram?”, indagou a aposentada. “Ele estava muito nervoso”, repetiu Emilly, várias vezes.