Com positivos da Covid-19, maternidade Dona Iris deixa de receber pacientes

Três funcionários e um bebê foram diagnosticados com a coronavírus; hospital também vive um surto da superbactéria KPC e ESBL

Justiça arquiva investigação de morte de recém-nascido na Maternidade Dona Íris, em Goiânia
(Foto: Reprodução)

O Hospital e Maternidade Dona Iris, em Goiânia, deixou de admitir novos pacientes na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e na Unidade de Cuidados Intensivos (UCIN), nesta terça-feira (9), após um bebê e três colaboradores testarem positivo para o novo coronavírus. Além disso, a unidade também enfrenta o surto da superbactéria Klebsiella pneumoniae Carbapenemase (KPC), que pode levar à morte.

Uma criança foi diagnosticada com a KPC, mas está bem e já recebeu alta. Outros quatro bebês estão com a bactéria Beta-Lactamase de Espectro Estendido (ESBL). Apesar disso, eles não foram infectados e estão apenas com ela no organismo, segundo nota divulgada pela Fundação de Apoio ao Hospital das Clínicas da UFG (Fundahc), que faz a gestão do local.

Ana Carolina Lemes David Portes, médica infectologista da unidade, conta que a descoberta da superbactéria se deu por meio de um processo realizado quinzenalmente no hospital. “Por sermos uma UTI neonatal e recebermos bebês de extrema prematuridade, que necessitam de longos períodos de internação, a gente realiza coletas de swab para ver se eles correm risco com bactérias multirresistentes, como a KPC. Já havia mais de um ano que não tínhamos a presença dela na unidade”, destaca.

Já a descoberta da Covid-19 foi feita em uma mãe que acompanhava o bebê e estava com quadro de problemas respiratórios. Foi realizado o teste e o resultado deu positivo para ambos. A Fundahc afirma que o menor e a genitora estão estáveis e permanecem em isolamento. Já os colaboradores, que também tiveram o contágio confirmado, foram afastados das funções.

Todos os bebês que estão internados na unidade serão testados, assim como acompanhantes e colaboradores da UTI e da UCIN. Segundo a unidade, são 19 bebês internados, atualmente. Os acompanhantes serão afastados e poderão realizar visitas virtuais periódicas. Dentre as medidas de controle sanitário tomadas, estão a desinfecção terminal, onde todos os aparelhos, chão e tetos são lavados.

Partos

Diretor-técnico do hospital, o médico Denes Ribeiro destaca que os partos ocorrerão normalmente, exceto aqueles em que a mãe apresente alguma intercorrência e que seja necessária a internação da criança em uma UTI. “Esses casos vamos orientar à mãe a procurar outra unidade ou colocar o nome dela na regulação, pois não temos condições de oferecer um amparo de UTI na unidade nesse momento”, destaca.