Médico comete suicídio após sua mãe falar para ele procurar ‘cura gay’

Nazim Mahmood tinha um relacionamento com outro homem há 13 anos


//

O médico Nazim Mahmood, do Reino Unido, cometeu suicídio ao pular de seu apartamento, uma cobertura de luxo, depois que sua mãe lhe pediu para que buscasse a “cura gay”. A morte aconteceu em julho, mas as novas informações são resultado de um inquérito no Tribunal de St. Pancras.

Dias antes de sua morte, Mahmood contou para sua mãe que era homossexual e que estava em um relacionamento há 13 anos com o seu noivo, Matthew Ogston.

O tribunal apurou que o médico manteve sua sexualidade escondida da família muçulmana por receio de rejeição por motivos religiosos e culturais. Mas em um reencontro familiar, a mãe de Mahmood questionou sobre a opção sexual do filho que afirmou ser gay.

Seu noivo, que morava no mesmo apartamento, disse que a conversa com a mãe o abalou muito. “Ela havia sugerido que ele precisava ver um psiquiatra para ver se havia cura. Juntos, eu acredito que eles concordaram em passar por isso. Alguém dizendo que você precisa ser curado não é a coisa mais fácil de se encarar”, afirmou Ogston ao inquérito.

O tribunal ouviu que o doutor nunca tinha sofrido depressão ou qualquer outra doença mental e que tinha tomado drogas como a mefedrona e cetamina pouco antes de sua morte.

Ogston chegou ainda a dizer que o médico nunca tinha dado nenhuma indicação de qualquer intenção de se matar: “Ele sempre queria ajudar outras pessoas, sempre colocava as outras pessoas em primeiro lugar. Ele foi muito simplesmente o homem mais incrível que eu já conheci em toda a minha vida”. (Com informações de agências e O Globo)