Morador se acorrenta para evitar que árvore seja derrubada em Goiânia

Três plantas frutíferas darão lugar a um muro. Outras cinco serão plantada no lugar

Um morador do condomínio Superquadra 101, localizado no Setor Sul, em Goiânia, se acorrentou a uma árvore para evitar que a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) a retirasse na manhã deste domingo (13). A retirada da planta é justificada pelo condomínio para a construção de um muro na Rua Maria Joana.

Os moradores do condomínio, entretanto, afirmam que não foram consultados pela síndica sobre a derrubada das árvores. Para dar lugar ao muro, a Comurg foi solicitada a retirada de duas mangueiras e uma goiabeira que ficam rentes ao alambrado que existe no local.

Quando a Comurg estava no local para a retirada das árvores, um dos moradores se acorrentou a uma das árvores. Mas o trabalho acabou sendo concluído pela prefeitura. A Polícia Militar estava no local para dar suporte à ação dos servidores municipais.

Por meio de comunicado, a síndica informou que a retirada das árvores possui autorização da Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) e, após a retirada, o condomínio deverá plantar cinco mudas da espécie “nó de porco”, conhecida por ter florada de coloração rosa durante o inverno.

A síndica disse ao Mais Goiás foi deliberado em assembleia de condôminos, realizada em 03/04/2019, pela construção de muro em substituição ao alambrado que circunda o condomínio. Tal medida foi adotada no intuito de aumentar a segurança dos moradores, tendo em vista a ocorrência de diversos crimes ocorridos em seu interior. Ela citou o estupro da filha de um morador, que por medo não registrou o fato, seis roubos de bicicleta e um roubo de um caminhonete modelo Hilux.

“Para viabilizar a construção deste muro, infelizmente foi necessário solicitar a retirada de 3 árvores contíguas ao alambrado, o que foi feito através do devido processo administrativo.  Vale ressaltar que neste processo foi determinada a devida compensação ambiental com o plantio de 5 mudas de nó de porco, o que será feito pelo condomínio no prazo legal de 60 dias”, aponta.