Moradora de Aparecida tem dois filhos assassinados em menos de 2 meses

Um dos filhos morreu na última quarta-feira e sua filha foi vítima de feminicídio no dia 15 de novembro

Mãe perde filha por feminicídio em novembro e tem filho assassinado menos de 2 meses depois (Foto Ilustrativa: PxHere)
Mãe perde filha por feminicídio em novembro e tem filho assassinado menos de 2 meses depois (Foto Ilustrativa: PxHere)

Em menos de dois meses, moradora de Aparecida de Goiânia tem dois filhos assassinados. A mãe aponta que a última morte, de seu filho caçula, foi provocada por uma execução sumária da Polícia Militar na última quarta-feira (5). O jovem morreu durante uma ação policial.

De acordo com a mãe, que não quis se identificar, seu filho havia saído para passear com o cachorro quando foi surpreendido pela polícia. A outra filha, de 19 anos, foi morta no dia 15 de novembro, vítima de feminicídio. Ambos os filhos foram assassinados em Aparecida de Goiânia.

O Mais Goiás questionou a PM5, setor responsável pela comunicação da Polícia Militar, mas não obteve nenhuma resposta até o fechamento da matéria. O espaço permanece aberto para manifestação.

Feminicídio ocorreu por não aceitação de término de relacionamento

O crime ocorreu na divisa dos bairros Nova Cidade e Independência das Mansões, na avenida 21 de abril, em Aparecida de Goiânia. Segundo apurou a Polícia Civil, o suspeito, ex-namorado da jovem, a matou por não aceitar o fim do relacionamento. Eles teriam brigado e a vítima terminado a relação, o que provocou a ira dele.

Antes do crime, o suspeito teria ido encontrar ex-namorada a cerca de 100 metros da casa da mãe da jovem e feito cinco disparos com armas de fogo. Testemunhas informaram à polícia que o casal teria discutido momentos antes do assassinato. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionado para prestar socorro, mas quando as equipes chegaram ao local, ela já estava morta.

O suspeito foi preso no dia 16 de novembro, em Quirinópolis. O delegado Hudson Benedetti, responsável pelo caso, afirmou que o homem era faccionado aos Amigos do Estado. Na residência dele, a polícia encontrou 17 quilos de maconha e material utilizado para o tráfico de drogas.