Morre primeiro paciente da Vila São Cottolengo por complicações decorrentes do vírus H1N1

Óbito ocorreu no domingo (11) e foi causado por Sepse. Outros quatro estão internados no Hugo. Na vila, três estão isolados com suspeitas de terem adquirido a doença

No domingo (11), interna da Vila São José Bento Cottolengo morreu por complicações decorrentes de contaminação pelo vírus H1N1 no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Esta foi a primeira morte relacionada diretamente com o vírus. Desde que a situação está sendo monitorada, há 13 dias, sete pessoas morreram, mas a infecção delas não foi confirmada.

De acordo com informações da assessoria de imprensa da entidade, o óbito foi ocasionado por Sepse, infecção pulmonar, que pode ter sido agravada por complicações geradas pelo vírus.

Atualmente, no Hugo, há quatro pacientes da vila com suspeitas de contaminação pela doença. Na própria vila, três outros indivíduos estão isolados em observação. Uma dessas aguarda regulação para ser encaminhada à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na instituição.

A contaminação do trio internado em observação na vila foi confirmada no sábado (10) pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) da Vila São Cottolengo.

Os sete outros óbitos ocorridos na Vila estão sendo investigados. Cinco deles já tiveram hipótese de contaminação por H1N1 descartada. O resultado da apuração deve ser divulgado em oito dias.

Visitas aos internos estão suspensas por prazo indeterminado. O motivo é prevenção a uma eventual proliferação do vírus. A Administração do Hugo revela que não há comprovação de contaminação de funcionários, embora alguns tenham apresentados sintomas de gripe comum.

A Vila São Cottolengo tem 321 internos. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) vai solicitar antecipação da campanha de vacinação em 10 dias no município de Trindade. A SMS alerta que a população de Trindade não precisa temer o vírus, que está em ambiente controlado.