Motorista de ônibus rebate versão apresentada por indígena abandonado durante viagem

Segundo ele, o indígena, da tribo Xavante, teria se debatido dentro do veículo, iniciado discussões com outros passageiros e saído por vontade própria

O motorista do ônibus interestadual que teria abandonado um indígena à beira da estrada, por motivo de preconceito, compareceu à sede da Polícia Rodoviária Federal (PRF) ainda na noite desta terça-feira (7) e rebateu a versão apresentada pelo homem. Segundo ele, o indígena, da tribo Xavante, teria se debatido dentro do veículo, iniciado discussões com outros passageiros e saído por vontade própria.

O caso ocorreu nesta terça, quando Sancler Towara Tsorote, que viajava de Belo Horizonte (MG) para Goiânia, procurou a PRF de Morrinhos, na BR-153, relatando ter sido abandonado às margens da rodovia. Ele alegou ter caminhado 9 quilômetros a pé até chegar no posto da corporação, que o acolheu, alimentando-o e o conduzindo até a delegacia de polícia civil para prestar depoimento. Ele alegava ter sido vítima de preconceito.

Já no início da noite a PRF conseguiu contato com o motorista do citado ônibus, que retornou ao posto policial. Ele alegou que assumiu a condução do veículo em Uberlândia (MG), cidade onde reside, às 3h20 da manhã de ontem. Conforme relatou, após iniciar seu trabalho, realizou a contagem dos passageiros, como de rotina, e, por estar tudo certo, seguiu viagem.

Horas mais tarde, às 6h da manhã, como de costume, foi realizada a parada para o lanche, em um posto de combustível localizado às margens da BR-153, em Goiatuba. Ao final dessa parada, às 6h30, todos os passageiros embarcaram quando o motorista teria sido procurado pelo indígena que o informara que gostaria de descer do ônibus. O motorista, então, teria solicitado a presença de algumas testemunhas, para que se resguardasse, entretanto, o índio desistiu do pedido, quando ingressou no ônibus e seguiram viagem para Goiânia.

Segundo a PRF, motorista informou que após percorrer aproximadamente 5 km o indígena começou a se debater e a incomodar diversos passageiros e que, ao aproximar-se de Morrinhos, começou a implorar para descer. O motorista teria pedido para que aguardasse, pois o deixaria no posto da PRF, entretanto, como o indígena estava em uma forte discussão com um outro passageiro, ele optou por parar o ônibus no trevo de acesso a Morrinhos, quando Sancler desceu, pegou um objeto o lançou no ônibus, sem causar danos.

A PRF entrou em contato com a Polícia Civil que informou que não havia delegado plantonista e que o motorista se apresentará espontaneamente no dia de hoje, quando será colhido seu depoimento para a elucidação do caso. A documentação confeccionada pela PRF foi encaminhada para a Polícia Civil.

O motorista alega que foram feitos alguns vídeos que comprovam sua versão e ficou de disponibilizá-los à PRF. Contudo, ainda não o fez.