Motoristas envolvidos em racha deixam delegacia sob gritos de apoio, em Goiânia

Depoimento de Eduardo Henrique e Arthur Yuri durou cerca de 2h13

Os motoristas envolvidos em racha deixaram a Delegacia de Investigações de Crimes de Trânsito (Dict), em Goiânia, sob gritos de apoio. (Foto: Jucimar de Sousa/Mais Goiás)
Os motoristas envolvidos em racha deixaram a Delegacia de Investigações de Crimes de Trânsito (Dict), em Goiânia, sob gritos de apoio. (Foto: Jucimar de Sousa/Mais Goiás)

Os motoristas Eduardo Henrique, de 22 anos, e Arthur Yuri, 18, acabaram de deixar a Delegacia de Investigações de Crimes de Trânsito (Dict), em Goiânia. Os jovens, que dirigiam uma caminhonete e uma BMW, respectivamente, e participaram de disputa de racha na T-9, chegaram ao local por volta das 10h07 desta quinta-feira (12), para prestar depoimento. A oitiva durou cerca de 2h13. Eles não quiseram falar com a imprensa e saíram sob gritos de apoio de um grupo de mulheres.

Os condutores prestariam depoimento na terça-feira (10), mas a oitiva foi adiada, pois os jovens ficaram abalados com a notícia do falecimento de Wictor, de quem eram amigos íntimos, segundo explicou a defesa.

A Dict investiga o caso e conseguiu imagem de um fotossensor que mostra que um dos veículos que participava do racha passou por um semáforo a 123 quilômetros por hora, pouco antes do acidente.

Menos de dois minutos depois, a camionete Hilux, dirigida por Eduardo, atravessou para o outro lado da via, já no Jardim América, capotou várias vezes, e parou completamente destruída na calçada de um comércio, que teve as portas danificadas.

Passageira da Hilux, Marcella Sônia Gomes do Amaral, de 15 anos, foi arremessada para fora do utilitário e morreu na hora. Outro passageiro, Wictor Fonseca Rodrigues, de 20 anos, também voou pela janela e caiu em um lote baldio. Ele foi socorrido e permaneceu três dias internado, mas morreu na manhã da terça-feira (10), no Hospital de Urgências de Goiás (Hugo).

De acordo com as apurações, o condutor da BMW, Arthur Yuri, não possui Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A princípio, Eduardo e Arthur podem ser indiciados por duplo homicídio culposo, racha, embriaguez ao volante, e lesão corporal culposa.