FolhaPress

Movimento de Sérgio Reis pode prejudicar demandas dos caminhoneiros, diz líder da categoria

Wallace Landim, apelidado de Chorão, critica cantor por falar em nome de condutores

Cantor Sérgio Reis - PCDF abriu inquérito para investigar Sérgio Reis
PCDF abre inquérito para investigar Sérgio Reis sobre paralisação de caminhoneiros (Foto: divulgação - Veja)

Wallace Landin, presidente da Abrava (Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores), que tem o apelido de Chorão, afirmou ao Painel que o movimento do cantor Sérgio Reis pode atrapalhar os caminhoneiros.

O ex-deputado federal relacionou caminhoneiros com uma pauta que pede destituição de ministros do Supremo. Landin rechaça qualquer representatividade do sertanejo dentro da categoria.

Segundo o presidente da Abrava, uma das pautas do setor é o julgamento de três ações que questionam a constitucionalidade da tabela do frete.

“Nós precisamos destravar essas três ADIs (ações diretas de inconstitucionalidade) que estão no Supremo. Estamos pedindo para que o STF as julgue. Isso (as manifestações) pode nos prejudicar”, afirmou o caminhoneiro ao Painel. Segundo Chorão, a Abrava tem cerca de 35 mil associados.

Sérgio Reis fez uma postagem nas redes sociais na qual afirmou que está organizando uma manifestação com o movimento dos caminhoneiros e dos agricultores a favor do presidente Jair Bolsonaro nos dias que antecedem o 7 de setembro.

O protesto, segundo caminhoneiros, também é favorável à destituição dos ministros do STF e ao voto impresso.

Pela manhã, Chorão divulgou um vídeo no qual critica duramente a posição de Reis e afirma que os caminhoneiros não estão envolvidos nos atos e que ele não se manifesta politicamente. Ainda afirmou que o cantor não os representa e nunca lutou pela pauta do setor quando era deputado federal.

“Ele tem que falar em nome dos artistas que ele representa, que é o segmento dele”, disse o caminhoneiro ao Painel.