Mulher denuncia que foi esfaqueada pelo companheiro durante atendimento médico em Anápolis

Ao formalizar a denúncia, a Polícia Militar (PM) foi acionada para realizar as diligências, mas o suspeito já teria fugido. Mulher precisou ficar internada

Vítima foi levada pelo próprio agressor ao Hospital de Urgências (Foto: Divulgação/Heana)
Vítima foi levada pelo próprio agressor ao Hospital de Urgências (Foto: Divulgação/Heana)

Uma mulher, de 36 anos, utilizou o sistema de saúde para fazer uma denúncia contra o companheiro em Anápolis. Na madrugada desta sexta-feira (13) a vítima foi levada pelo marido ao Hospital Estadual de Anápolis Dr. Henrique Santillo (Heana) que inicialmente relatou que teria se cortado durante uma poda de árvore, no entanto, ao estar sozinha no atendimento médico, denunciou que sofria violência doméstica do marido.

O Mais Anápolis apurou que a mulher alegou ao médico que o próprio marido teria chegado bêbado em casa e cortado a mão dela. Relatou ainda que as agressões já ocorrem há algum tempo.

Ao formalizar a denúncia, a Polícia Militar (PM) foi acionada para realizar as diligências, mas o suspeito já teria fugido.

O caso deve ser investigado pela Delegacia de Atendimento Especializado a Mulher (DEAM). A reportagem apurou que como o caso aconteceu durante a madrugada, as diligências ainda estão em andamento para que o suspeito seja localizado.

De acordo com dados do Sistema Único de Saúde (SUS) em casos que existe a suspeita de violência doméstica em atendimentos hospitalares, profissionais da saúde são orientados a atender a vítima, oferecer o amparo e acionar as autoridades competentes para formalizar a denúncia.

Como denunciar

A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 presta uma escuta e acolhida qualificada às mulheres em situação de violência. O serviço registra e encaminha denúncias de violência contra a mulher aos órgãos competentes, bem como reclamações, sugestões ou elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento.

O serviço também fornece informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam), Defensorias Públicas, Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres, entre outros.

A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. São atendidas todas as pessoas que ligam relatando eventos de violência contra a mulher.

O Ligue 180 atende todo o território nacional e também pode ser acessado em outros países