“Não serão tratados pelo município”, diz prefeito de Anápolis sobre receber brasileiros da China

Roberto Naves garantiu, ainda, que as unidades hospitalares da cidade não serão utilizadas

“Não serão tratados pelo município”, diz prefeito de Anápolis sobre receber brasileiros da China
“Não serão tratados pelo município”, diz prefeito de Anápolis sobre receber brasileiros da China

Em coletiva de imprensa nessa segunda-feira (3), o prefeito de Anápolis Roberto Naves (Progressistas) falou sobre a Base Aérea de Anápolis receber os cerca de 45 brasileiros que estão na província de Wuhan (China), epicentro do surto de coronavírus. O administrador municipal pontuou que a cidade é cogitada por possuir local propício para pouso de aviões da FAB, além de ser próxima ao Hospital de Base em Brasília. “Caso apresentem sintomas, essas pessoas não serão tratadas pelo município e nem transitarão pela cidade. Ficarão sob responsabilidade da base aérea e dos militares.”

Também segundo Naves, as unidades hospitalares da cidade não seriam utilizadas. “A população pode ficar tranquila. O que não precisamos é de sensacionalismo. Pessoas que queiram usar isso como palanque politico.” Ainda segundo ele, pessoas que já tivessem confirmado a doença não seriam trazidas para o Brasil.

Apesar disso, o gestor afirma que essas pessoas não são pacientes, pois não apresentam sintomas. Porém, ainda assim, ficam de quarentena por 15 dias, pois o coronavírus pode ficar encubado de dois a quatro dias. Vale destacar, ainda, que a cidade não está definida, foi apenas considerada. “Existe a possibilidade, segundo o governo federal, de serem deslocadas para o Brasil e haveria a necessidade de um aeroporto com baixa incidência de população. Por isso Anápolis estaria sendo cogitada”, destaca. “Mas ainda não há definição de qual município vai receber. Essa decisão será tomada pelo Governo Federal.”

Questionado, o prefeito revelou que não recebeu notificação do Governo Federal, apenas a informação da Base Aérea de que o local estaria sob estudo. Nesa terça-feira (4), ele e o governador Ronaldo Caiado (DEM) vão a Brasília para conversar com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o assunto. “Só aguardando Bolsonaro confirmar horário.”

Respostas

A assessoria de comunicação da Base Aérea foi procurada, mas informou que não poderia se manifestar. Foi pedido que o portal entrasse em contato com o Ministério da Defesa Civil, o que foi feito, mas não houve retorno.

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES) também foi procurada. Por nota, informou que aguarda definição do Governo Federal para se pronunciar.

Mais cedo, via Twitter, o governador Ronaldo Caiado informou, que tanto Anápolis quanto Florianópolis passariam por vistorias nesta segunda-feira (3) antes de qualquer decisão do governo.

Caso

Mais cedo, Onyx Lorenzoni, o ministro da Casa Civil, afirmou nesta segunda-feira que o governo federal avalia deixar os brasileiros evacuados da cidade de Wuhan, epicentro do surto de coronavírus, em quarentena em uma área militar na cidade de Anápolis. O local seria o mais provável, pois, segundo ele, já teria experiência com casos de isolamento, por ter trabalhado no acidente com Césio-137 em Goiânia.

Ao Popular, o ex-secretário de Sáude à época do acidente radiológico, Antônio Faleiros, desmentiu o ministro. Segundo ele, “isso nunca ocorreu. Todo o trabalho foi desenvolvido em Goiânia.” Ele ainda explica que as pessoas contaminadas foram levadas para o Hospital Alberto Rassi, inicialmente, e depois para o Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio de Janeiro. Nesse segundo lugar elas ficaram isoladas.