Pabllo Vittar mistura música forró e K-Pop em ‘Triste com T’

Cantora abusa da safadeza e referências regionais para compor o segundo single de 'Batidão Tropical'

Pabllo Vittar mistura música nostálgica e atual em Triste com T
Drag abusa da safadeza e referências regionais para compor o segundo single de Batidão Tropical (Foto: Ernna Cost)

Que Pabllo Vittar é um dos maiores nomes do cenário musical brasileiro todo mundo já sabe. E, mais uma vez, ela serviu e agradou em Triste com T. O segundo single do recém lançado álbum Batidão Tropical conta com um clipe cheio de muitas referências à cultura do Norte e Nordeste do país com toques do K-Pop. Além, de claro, muita safadeza.

Vittar explicou que a música fecha a história iniciada em Ama, Sofre e Chora, cujo clipe mostra a drag sendo abandonada no altar. Em conversa à imprensa, Pabllo contou como foi o processo de criação do clipe da música carro-chefe do novo álbum. “Eu sonhei que estava de noiva e tinha certeza que tinha que colocar isso no primeiro vídeo de Batidão Tropical. A música já estava pronta e, então, foi tudo se casando para escrever o roteiro de Ama Sofre e Chora”, pontuou.

Para fechar a narrativa, Triste com T tinha que ser mais alto astral e colorido. O clipe traz Pabllo que, mesmo abandonada, está com os desejos sexuais atiçados e quer aproveitar isso para superar a rejeição de ser deixada no altar. No material final, a cantora trouxe muita atuação e bons vocais misturados com batidas do forró, tecnobrega e tecnopop, ritmos que fizeram parte da infância e da adolescência da artista.

Estes são gêneros que, mesmo não sendo tão presentes em álbum anteriores – nos quais a artista trabalhou com com pop e eletrônico -, as raízes sempre estavam ali, em canções pontuais nos outros discos, como em Amor de Que, do 111 (2019), e Seu Crime, do Não Para Não (2018).

O clipe de Triste com T começa com Pabllo rasgando as roupas que usou no altar. Ao mudar para a cena mais coreografada, ela aparece vestida em um macacão preto que lembra muito aos figurinos usados por Britney Spears no início dos anos 2000. Nesse momento, ela é levantada pelos bailarinos assim como Mylla Karvalho aparecia empoderada no início dos shows – e DVDs -, quando esteve no comando da Companhia do Calypso.

Drag abusa da safadeza e referências regionais para compor o segundo single de Batidão Tropical

Drag abusa da safadeza e referências regionais para compor o segundo single de Batidão Tropical (Foto: Errna Cost)

Em outro cenário, a artista abusa do K-Pop raiz como as vestimentas, o cabelo solto liso e na coreografia final, que faz alusão ao que as meninas do BLACKPINK fizeram em How You Like That. “Eu sempre fui fã do forró e de K-Pop. E vi daí uma oportunidade bacana de juntar esses dois estilos que gosto mundo”, afirmou.

Alguns fãs já trouxeram até Anahí como referência do novo clipe. Em uma das cenas, Pabllo aparece com um celular de flip na bota, assim como a eterna Mia Collucci o fazia na novela Rebelde.

Além de atuar e cantar a drag também dividiu a direção com Flávio Verne.

(Foto: Errna Cost)

A coreografia oficial do single será ensinada pela primeira vez na live Love Unites, que vai ser realizada no próximo domingo (27) no canal da Twitch da própria Pabllo Vittar, a partir das 15 horas.

Veja abaixo o resultado de Triste com T