Paulo Guedes pede demissão e Bolsonaro tenta convencê-lo a ficar, diz colunista

Pedido teria sido feito após discussão entre o ministro e o presidente por causa do Auxílio Brasil, no valor de R$ 400

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu demissão do cargo na quinta-feira (21), após discussão com o presidente Jair Bolsonaro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu demissão do cargo na quinta-feira (21), após discussão com o presidente Jair Bolsonaro. A informação é do colunista Vicente Nunes, do Jornal Correio Braziliense.

Segundo texto assinado por ele, o desentendimento teria ocorrido depois de Guedes afirmar que não aceitaria as manobras feitas pelo Governo Federal para furar o teto de gastos para bancar o Auxílio Brasil, no valor de R$ 400.

Agora, também segundo Vicente Nunes, o chefe do Executivo tenta convencer o ministro a continuar no governo.

Paulo Guedes pede demissão após quatro secretários do Ministério da Economia deixarem o governo

De acordo com a publicação do Correio Braziliense, a informação sobre o pedido de demisão de Guedes foi confirmada por quatro interlocutores ouvidos pelo colunista.

O pedido foi feito no mesmo dia em que quatro secretários do Ministério da Economia deixaram o governo.

Deixaram os cargos Bruno Funchal, do Tesouro e Orçamento; e Jeferson Bittencourt, do Tesouro Nacional. Os respectivos secretários-adjuntos (Gildenora Dantas e Rafael Araújo) também pediram demissão.

As baixas acontecem no momento em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pressiona o Ministério da Economia a liberar recursos para o Auxílio Brasil (sucessor do Bolsa Família) a R$ 400 e para pagar um “auxílio-diesel” a 750 mil caminhoneiros. Estas duas medidas farão com que o governo estoure o teto de gastos públicos e pressionarão a inflação a subir.