Paulo Vieira revela que já fugiu de hospital em Goiânia para não ter rim roubado

Humorista disse que foi o programa 'Fantástico' o salvou; entenda

Humorista disse que foi o programa 'Fantástico' o salvou. Paulo Vieira conta que fugiu de hospital em Goiânia para não ter rim roubado
(Foto: Reprodução Globo)

O humorista Paulo Vieira, 29 anos, já passou por uma situação para lá de complicada em Goiânia. O apresentador do quadro “Avisa Lá Que Eu Vou”, que é exibido no “Fantástico” (TV Globo), revelou recentemente que fugiu de um hospital da cidade para não ter um rim roubado.

Segundo o comandante do quadro ‘Big Terapia’, no BBB, quando criança ele teve um problema renal e foi internado no Hospital Geral de Goiânia. “O médico falou: ‘olha, ele vai ter que fazer uma biópsia nos rins, porque é um problema sério'”, contou Paulo.

Nas palavras de Vieira, foi o próprio “Fantástico” que salvou sua vida.

“Eu ia fazer a biópsia na segunda-feira. No domingo a gente tava assistindo ‘Fantástico’ e o meu médico apareceu numa reportagem acusado de roubar órgãos. Juro por Deus!”, disse o humorista.

“Nisso, minha mãe já foi tirando os fios, me desconectando, e eu saí fugido do Hospital de Goiânia. O ‘Fantástico’ me salvou esse rim aqui”, relatou Paulo Vieira rindo.

Assista ao vídeo:

Paulo Vieira deixa casamento de Lula e Janja com caixa de docinhos

Em junho deste ano, o humorista e apresentador Paulo Vieira, 29, esteve presente no casamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), 76, com a socióloga Rosângela da Silva, a Janja, 55, e mostrou para seus fãs e seguidores que saiu do evento com não apenas um pratinho de doces, mas sim uma caixa cheia.

Vieira contou no Twitter que ganhou os docinhos após fazer amizade com os garçons e garçonetes do casamento. “Não me julguem”, escreveu ele no tuíte.

LEIA TAMBÉM:

+ Bruno Gagliasso relembra ‘surubão de Noronha’: “Eu não desminto”

+ Salva-vidas riram de alerta dado por turistas antes de tubarão matar mulher; vídeo

+ Botox no pênis: conheça os riscos do procedimento que cresce no Brasil