FolhaPress

PF conclui perícia e diz que corpos de Dom e Bruno serão entregues às famílias

Pereira e Phillips foram mortos em região próxima à terra indígena do Vale do Javari, no estado do Amazonas

Dom e Bruno
Bruno Pereira e Dom Phillips (Foto: Reprodução)

A Polícia Federal informou nesta quarta-feira (22) que concluiu a perícia de genética forense e que os corpos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips serão liberados para as famílias nesta quinta (23).

“A Polícia Federal comunica que os corpos de Dom Phillips e Bruno Pereira serão entregues às famílias amanhã, dia 23 de junho, com previsão de decolagem do aeroporto de Brasília às 14h”, disse a corporação, em nota.

Ainda de acordo com a PF, as amostras biológicas identificaram “dois perfis genéticos distintos” e os resultados apontaram se tratar “dos remanescentes de Dom Phillips e Bruno Pereira”.

“Os trabalhos dos peritos do Instituto Nacional de Criminalística continuarão nos próximos dias concentrados na análise de vestígios diversos do caso.”

Pereira e Phillips foram mortos em região próxima à terra indígena do Vale do Javari, no estado do Amazonas.

O crime jogou pressão sobre o governo Jair Bolsonaro (PL) por evidenciar o cenário de conflito ambiental na Amazônia e de insegurança de lideranças que atuam na defesa de indígenas.

Até o momento, três pessoas foram presas por envolvimento no duplo homicídio. Dois confessaram participação: Amarildo Oliveira, conhecido como Pelado, e Jefferson da Silva Lima (o Pelado da Dinha).

O terceiro suspeito de envolvimento direto nas mortes, Oseney Oliveira (o Dos Santos), nega. Apesar disso, investigadores dizem que uma testemunha o colocou na cena do crime.

Além deles, outras cinco pessoas já foram identificadas. De acordo com os investigadores, elas auxiliaram na ocultação dos cadáveres.

O avanço das buscas levou a uma confissão de Pelado na noite do dia 14, segundo informação divulgada pela PF.

Pelado, então, foi levado ao local das buscas no dia 15 para identificação da localização da vala onde os corpos foram enterrados. Na noite do mesmo dia, os corpos foram transportados até o porto de Atalaia do Norte (AM), a cidade mais próxima do local do crime. De lá, os remanescentes foram transportados para perícia em Brasília.

O assassinato de Pereira e Phillips envolveu um grupo de pescadores ilegais, que atuam principalmente com pesca do pirarucu, segundo indícios coletados nas investigações.

O indigenista era um dos responsáveis pelo serviço de vigilância indígena implementado pela Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari). Esses vigilantes apontavam diariamente a presença de invasores na terra indígena e nas imediações. Foram esses mesmos indígenas que empreenderam as buscas pelos corpos de Pereira e Phillips.