PF prende quadrilha suspeita de fraude no seguro-desemprego em Goiás e mais 2 estados

Polícia Federal estima que prejuízos ultrapassam R$ 10 milhões


//

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (23) duas operações simultâneas para desarticular organização criminosa acusada de fraudar o seguro-desemprego e obter benefícios ilícitos em processos contra a Caixa Econômica Federal. As operações da PF acontecem em três estados: Tocantins, Goiás e Maranhão.

Segundo informações da assessoria de comunicação da PF, indícios colhidos no inquérito policial demonstram que os criminosos tinham acesso ao sistema do Ministério do Trabalho e Emprego. Eles faziam o requerimento de benefício usando dados de PIS de trabalhadores reais e fictícios. A suspeita é de que o prejuízo causado à União supere R$ 10 milhões. A operação é denominada Xeque Duplo.

A PF disse que para realizar a fraude, os membros da organização criavam perfis de desempregados por meio de dados falsos referentes a empresas laranjas. Os crimes cometidos pelos suspeitos são de organização criminosa, estelionato, falsificação de documento, uso de documento falso, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistemas e lavagem de dinheiro.

A PF informou ainda que além da operação Xeque Duplo, foi realizada outra, a Duas Caras. Esta se refere a fraude praticada por dois integrantes da mesma organização criminosa. Eles agiam com a participação de terceiros e tentavam enganar a própria Justiça. Criavam um processo em que contestavam um saque do seguro-desemprego. Depois, os dois suspeitos ingressavam com ação por danos morais na Justiça Federal contra a Caixa Econômica Federal.

“Os  investigados teriam falsificado documento de identidade e combinado o saque da conta de um deles, mediante uso de documentação falsa, para posteriormente questionar esse saque junto à Caixa Econômica Federal e ingressar com ação por danos morais contra a instituição bancária”, informou à PF.

Nas duas operações foram mobilizados 110 policiais federais para o cumprimento de 13  mandados de prisão preventiva, 10 mandados de prisão temporária, três mandados de condução coercitiva e 21 mandados de busca e apreensão. Todos os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Criminal da Justiça Federal em Palmas.

Segundo a assessoria de comunicação da PF, até as 9h30, 18 pessoas foram detidas em caráter preventivo e temporário. As prisões ocorreram em Tocantins (11 detidos), Maranhão (4 detidos) e Goiás (3 detidos) – estados onde o grupo investigado atuava. Além disso, 15 mandados de busca e apreensão no estado tocantinense, quatro em Goiás e dois no Maranhão.

Segundo a PF, dentre os presos nas operações dois tem duplo mandado e um já se encontra preso, condenado a 21 anos de prisão pelo mesmo golpe. Os policiais vão até o presídio cumprir mais um mandado contra ele. Os nomes ainda não foram divulgados pela PF.