FolhaPress

PF quer usar dados sobre milícias digitais em inquérito que investiga Jair Renan

Investigadores pedem compartilhamento por causa de citação nas duas apurações a amigo de 04 de Jair Bolsonaro

Jair Renan Bolsonaro é intimado para depoimento à PF nesta quinta (7). Investigadores tentam ouvir jovem sobre corrupção há quatro meses
Jair Renan - (Foto: reprodução - Instagram)

Os investigadores responsáveis pela apuração sobre os negócios de Jair Renan, filho 04 do presidente Jair Bolsonaro, querem utilizar informações do inquérito das milícias digitais. A delegada Denisse Ribeiro, segundo mostra os documentos do inquérito, recebeu o pedido de compartilhamento da superintendência da PF no Distrito Federal. Caberá ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, decidir se autoriza ou não o compartilhamento.

O motivo do pedido é a citação ao empresário Allan Lucena nos dois casos. Ele seria parceiro comercial de Jair Renan e no caso das milícias digitais aparece em conversas com o jornalista bolsonarista Oswaldo Eustáquio.

Ao pedir o compartilhamento, os investigadores do caso de Jair Renan afirmam que o inquérito que ele é alvo indica para recebimentos pelo filho do presidente “de vantagens de empresários com interesses, vínculos e contratos com a Administração Pública Federal e Distrital sem aparente contraprestação justificável dos atos de graciosidade”.

Segundo a PF, o núcleo empresarial investigado no caso do 01 “apresenta cerne em conglomerado minerário/agropecuário, empresa de publicidade e outros empresários”.

Como mostrou o Painel, a PF abriu em março um inquérito para investigar os negócios envolvendo Jair Renan. A apuração mira uma empresa do 04 e sua atuação junto ao governo federal.

A revista Veja mostrou em novembro que Jair Renan deu início a sua vida de empresário atuando para conseguir uma audiência em um ministério para tratar de interesses comerciais de um de seus patrocinadores.

O filho de Bolsonaro e o sócio ganharam um carro elétrico do grupo empresarial um mês antes de intermediar a reunião, de acordo com a reportagem. Segundo o jornal O Globo, o veículo é avaliado em R$ 90 mil.

A Folha mostrou em dezembro que a cobertura com fotos e vídeos da festa de inauguração da empresa de Jair Renan foi realizada gratuitamente por uma produtora de conteúdo digital e comunicação corporativa que presta serviços ao governo federal.