Pirarucu de 2 metros chama atenção de moradores em Parque do Setor Jaó

A Amma informou que o animal será levado para seu habitat natural nos próximos dias

O pirarucu de quase dois metros de comprimento é considerado dócil pelos visitantes do parque, que vão visitar o animal todos os dias
O pirarucu de quase dois metros de comprimento é considerado dócil pelos visitantes do parque, que vão visitar o animal todos os dias (Foto: Reprodução)

Um peixe da espécie pirarucu se tornou uma atração para os moradores da região do Parque Liberdade, no Setor Jaó, em Goiânia. O animal, que tem quase dois metros de comprimento, é considerado dócil pelos visitantes.

De acordo com os moradores da região, o pirarucu era criando em um aquário por uma mulher, que o deixou no lago após se mudar para São Paulo. Desde que descobriu o animal, a enfermeira Alyenne Paiva conta que vai ao parque todos os dias com a filha e que leva alimentos para o peixe.

“Ele chega pertinho. A gente traz pãozinho, o que tiver. Alguma frutinha. Ele come tudo“, disse a enfermeira.

Durante uma chuva forte recente na região, o lago transbordou e o animal ficou preso na calçada do parque. Ele precisou ser ajudado por moradores para ser levado de volta para a água.

Habitat natural

Uma equipe de biólogos da Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma) estiveram no lago no último sábado (12) e constataram que o peixe é jovem e deve pesar em torno de 70kg. A bióloga Vanessa de Castro explicou que o animal pode chegar a três metros de comprimento e pesar mais de 200 kg.

“Ele não está no habitat natural dele. Ele vive na região amazônica e na região do Araguaia. Ele estando aqui é prejudicial para ele, que é um animal que vai crescer. Também é ruim para os animais nativos daqui, pois gera uma competição entre eles”, disse a bióloga.

A espécie é ameaçada de extinção. O pirarucu é o maior peixe de água doce do mundo. A Amma informou que deve levar o animal para seu habitat natural nos próximos dias.

Ao Mais Goiás, a agência explicou que montou um planejamento para a transferência do peixe, em que precisará do apoio da equipe do Departamento de Piscicultura da Universidade Federal de Goiás (UFG).

O pirarucu deverá ser levado para o lago do Jardim Botânico de Goiânia em breve, já que o local possui uma população de piranhas da região amazônica que servirão de alimento.

A notícia da transferência deixou a Laís Neres, de 6 anos, triste. Ela visita o lago todos os dias com o pai. Mas, a menina diz entender que a mudança será melhor para o animal. “Vou sentir falta dele, mas ele tem que viver em um lugar maior”, disse a menina.