Polícia apreende 600 kg de maconha em Serranópolis; veja vídeo

Em outra ação, a PM interceptou 12 kg da droga em veículo que transportava uma criança

Polícia Cod apreende 600 kg de maconha em Serranópolis

A equipe do Comando de Operações De Divisas (COD) aprendeu, na madrugada desta terça-feira (9), 600 quilos de maconha. A corporação ocultou a rodovia para não atrapalhar as apreensões. Um homem de 44 anos foi preso.

Segundo informações do COD, a corporação estava em patrulhamento na região Sudoeste do Estado, quando identificou um veículo suspeito. Ao perceber a presença da equipe, o homem abondou o carro e tentou fugir, porém a ele foi alcançado.

De acordo com o Major Wallace Venancio de Moraes, o suspeito vinha de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, com destino a Rio Verde, em Goiás. Na ação, os policiais encontraram dentro do veículo 600 kg de maconha, que estavam espalhados no carro todo, cobertos por um pano preto.

Diante da situação, o abordado foi conduzido até o Distrito Policial de  Serranópolis, em Goiás, onde foi autuado pelo crime de tráfico de drogas.

Assista ao vídeo da apreensão:

Duas apreensões em uma madrugada

Outra apreensão também aconteceu na madrugada desta terça-feira (9), só que em Montes Belos, no nordeste do Estado. De acordo com o COD, 12 quilos de maconha foram localizados.

Segundo o major, haviam três pessoas e uma criança de 9 anos em uma caminhonete S10. O entorpecente foi encontrado em uma mochila, na carroceria do veículo. Os suspeitos vinham de Brasília com destino a Tocantins.

Eles relataram à corporação que adquiriram a droga no Distrito Federal por R$ 2.400 e que o destino seria a cidade de Porto Nacional, em Tocantins.

Polícia apreende 600 kg de maconha em Serranópolis

(Foto: Divulgação COD)

A criança foi encaminhada ao Conselho Tutelar e os suspeitos foram levados ao Distrito Policial de Campos Belos, onde foram autuados por tráfico de drogas, de acordo com a PM.

Wallace também disse que traficantes  estão usando criança e mulheres para disfarçar o tráfico e conseguir passar pelas barreiras sem serem localizados. “No mês passado prendemos mais mulheres do que homens”, afirmou.

*Laylla Alves é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Hugo Oliveira