Polícia trabalha com hipótese latrocínio para investigar morte de Eduardo Jordão

Criminosos levaram o carro, objetos pessoais e uma quantia de dinheiro em espécie

Morte de jornalista em Abadia de Goiás: polícia suspeita de latrocínio

Apesar de não haver nomes de suspeitos, a Polícia Civil acredita que a morte do jornalista e artista plástico Eduardo Ramos Jordão, de 77 anos, enquadra em crime de latrocínio (roubo seguido de homicídio). O Eduardo foi encontrado, na última segunda-feira (28), já sem vida na chácara onde morava em Abadia de Goiás.

O delegado Arthur Fleury disse ao Mais Goiás que a a investigação está em fase inicial e por isso ainda não há suspeitos. Os criminosos levaram o carro, alguns objetos pessoais e uma quantia de dinheiro em espécie, por isso, a suspeita preliminar é que o caso trata-se de latrocínio. Arthur Fleury disse ainda que a vítima foi morta a pauladas.

André Jordão, filho do artista, disse que o corpo do pai foi enterrado nesta terça-feira (29), às 18 horas, no cemitério Jardim das Palmeiras.

Morte

Eduardo foi encontrado morto, na tarde da última segunda-feira (28), dentro da chácara onde morava, na região de Abadia de Goiás. André Jordão disse que a residência estava toda revirada e que o corpo pai foi encontrado por um vizinho, após notar que a porta da casa do jornalista estava arrombada.

“Meu pai não gostava muito de Goiânia. Por isso ele passava a maior parte nessa chácara. Ele era uma pessoa muito tranquila. Não merecia isso”, disse o filho do jornalista. “Esperamos que o caso seja resolvido e que todos os envolvidos sejam presos. Meu pai era uma pessoa do bem”, finaliza André.

*Laylla Alves é integrante do programa de estágio do convênio entre Ciee e Mais Goiás, sob orientação de Hugo Oliveira