Procuradoria-Geral Eleitoral dá parecer favorável à candidaturas isoladas ao Senado

Validação, contudo, ainda depende de definição do Tribunal Superior Eleitoral

Procuradoria-Geral Eleitoral dá parecer favorável à candidaturas isoladas ao Senado
Procuradoria-Geral Eleitoral dá parecer favorável à candidaturas isoladas ao Senado (Fotos: Divulgação, Câmara Federal e Cesar Itiberê/PR)

A Procuradoria-Geral Eleitoral deu parecer favorável para candidaturas isoladas ao Senado. O vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet Branco, atendeu consulta do deputado federal delegado Waldir, que pretende disputar uma vaga para senador, neste pleito. A validação, contudo, ainda depende de definição do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Waldir faz parte do grupo de Ronaldo Caiado (União Brasil). Outros nomes da base são: Alexandre Baldy (Progressistas), Lissauer Vieira (PSD), Luiz Carlos do Carmo (PSC) e Zacharias Calil (União Brasil). João Campos (Republicanos) estaria negociando, também, com o pré-candidato ao governo Gustavo Medanha (Patriota).

Lissauer e Luiz do Carmo, contudo, defendem que haja apenas um nome de consenso. Os demais não descartam a possibilidade.

Para o Mais Goiás, Zacharias disse, após a decisão, que segue favorável às candidaturas isoladas, pois acredita que elas tornam o processo mais democrático, abrindo um leque de oportunidades para quem queira concorrer. Ele também entende que esse modelo pode ajudar o governador, pois ele contará com a possibilidade de mais candidatos ao Senado para somar à campanha dele.

O parlamentar reforça que não tem participado de nenhuma articulação para aprovar seu nome para candidatura ao Senado, mas se diz muito feliz por aparecer bem-cotado nas pesquisas. “A possibilidade de candidaturas isoladas para senador abre um leque de oportunidades para que vários nomes concorram, por isso vejo essa medida como reforço para a democracia”, diz o deputado.

Vale citar, em fevereiro o TSE já havia emitido parecer técnico favorável às candidaturas isoladas, ou avulsas, como são chamadas – apesar de juristas considerarem esse termo equivocado, pois se trata de uma candidatura sem partido, o que não é permitido no Brasil. A data para julgar em definitivo a questão, entretanto, ainda não foi marcada. Além de Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Pará e Distrito Federal aguardam a decisão do tribunal.