Quadrinistas goianos usam financiamento coletivo como renda extra na pandemia

Sites abrigam projetos que recompensam apoiadores com histórias em quadrinhos

Quadrinistas goianos encontram o financiamento coletivo como renda extra na pandemia
Quadrinistas goianos encontram o financiamento coletivo como renda extra na pandemia

Para muitos, a quarentena foi um golpe duro na renda. Entre as classes mais afetadas, está a dos artistas. A fim de garantir uma grana extra com o conteúdo que produzem, alguns aderiram a sites de financiamento coletivo. Funciona assim: o produtor de conteúdo oferta recompensas [baseadas em seus trabalhos] e quem se interessar colabora com alguma quantia de dinheiro.

O goiano Jonathas Ramos é ilustrador e já estava em home office no começo da pandemia. Apesar de relatar que o impacto da Covid-19 não tenha sido grande financeiramente, ele criou o projeto de uma história em quadrinhos no site de financiamento coletivo contínuo Apoia.se. A obra chama-se Solstício e acompanha uma estudante durante a era vitoriana, no Reino Unido, que descobre um livro com relatos de um tempo mágico e que passa a ser perseguida por uma seita religiosa obscura.

“Já tinha um tempo que eu queria lançar esse e outros projetos por meio de financiamento coletivo. Mas os sites que eu conhecia exigiam que eu entregasse um material concluído (ou pelo menos era assim que eu entendia)”, revela. “Então, recebi a recomendação do Apoia.se e percebi que podia ser uma excelente alternativa para mim. Até porquê, a vontade de lançar o projeto era grande, mas receber apoio durante a produção é um fator muito motivador.”

No apoia.se Jonathas entrega um capítulo de cinco páginas por mês da história, em PDF, para apoiadores a partir de R$ 5. “Meu processo de produção é muito analógico, e existe nele um grande gasto de material. Além do mais, para me dedicar a esse projeto, eu tenho que priorizá-lo, o que envolve dispensar outros trabalhos que podem surgir eventualmente. Fora todas as questões financeiras, isso é também um fator motivador”, explica o benefício das contribuições.

Solstício, por Jonathas Ramos

Metas

Como adiantado, o projeto possui recompensas para quem apoiar. Jonathas explica que cada apoiador pode contribuir com um dos valores sugeridos que garantem diferentes formas de benefícios. “Quem apoia, tem acesso ao conteúdo produzido e as diferentes recompensas escalam conforme o valor do apoio. Além de ver as páginas finalizadas, divididas em capítulos, ver o processo de produção, e, conforme as metas forem atingidas, até concorrer a páginas de desenho originais”, enumera.

Questionado sobre a rotina de trabalhos, ele diz que se desdobra entre o trabalho e a produção do projeto. “Então, eu acordo cedo, cumpro as oito horas de trabalho e durante a noite, eu visto meu manto de ‘quadrinheiro’ e vou a luta encarar a produção das páginas da HQ”, brinca.

Segundo ele, a ideia é continuar a trabalhar com o projeto, mesmo após a crise pandêmica. “Meu sonho é que o valor dos apoios seja o suficiente para que eu possa me focar unicamente na produção de quadrinhos. Ainda parece um sonho distante, mas eu acredito que, em médio prazo, será possível me dedicar, pelo menos, em um período maior do meu dia.” Confira Solstício AQUI.

Página de Solstício

Outros projetos

A ilustradora freelancer Karolyne Rocha, que é goiana, também aproveitou o momento da pandemia para iniciar um projeto no site de financiamento coletivo – apesar de também não ter sido tão afetada. “Já estava a algum tempo buscando uma oportunidade para criar um Apoia.se e essa foi a hora ideal”, avalia.

Ela, que também produz uma história em quadrinhos explica a proposta: “É um projeto de quadrinhos baseado na cultura do oriente médio antigo (mesopotâmia) mais o período conhecido como “anos de silêncio”. Tudo de bom desses períodos em uma só historia. Minhas maiores fontes de inspiração para este projeto são Espada selvagem de Conan e a Biblia Sagrada.”

Intitulada Balsamus, a trama acompanha Reithan, um general importante do reino Anraabii, localizado nas terras do oriente Mesurabih nos primórdios das civilizações. “Reithan e seu bando saem para fazer uma missão arriscada, mas eles estão dispostos a fazer qualquer coisa para completá-la”, avisa sem dar spoilers. O intuito principal dela é prosseguir com o projeto mesmo após o fim da pandemia.

Roteiro e arte de Karolyne Rocha

Curtiu? Tem mais

Outra HQ que também pode ser conferida e apoiada no site é a do mineiro radicado em Goiás, Thiago Dornelas: A Trilha das Folhas.

Na trama, um grupo de bruxas foge de caçadores que querem extinguir, por completo, a raça mágica. Diferente das demais, esta história é ambientada em um mundo de fantasia medieval fictício.

“A magia corre forte no sangue de uma druida que viu a morte de perto. Sobrevivente de um ataque mortal que dizimou um grupo de magas e bruxas, ela precisa continuar fugindo e, ao mesmo tempo, despertar todos os seus dons”, revela a sinopse.

O primeiro capítulo, com 15 páginas, está disponível para apoiadores e não apoiadores. Confira AQUI.

Capa do primeiro capítulo de A Trilha das Folhas, de Thiago Dornelas

E o Apoia.se é só um dos sites de financiamento coletivo disponíveis, assim como quadrinhos é apenas uma modalidade. Existe, ainda, o Catarse, o Kickante e muitos outros. Quer conhecer novos projetos e produtores independentes? Basta procurar.