Responsável por 3 mil mortes em 2 anos em Goiás, AVC é tema de semana de prevenção

Doença matou 101,1 mil pessoas no Brasil em 2017, segundo o Ministério da Saúde

Responsável 3 mil mortes em 2 anos em Goiás, AVC é tema de semana de prevenção
Responsável 3 mil mortes em 2 anos em Goiás, AVC é tema de semana de prevenção (Foto: Pixabay)

A secretaria de Saúde de Goiás (SES-GO) realiza, a partir de sábado, uma semana de atividades de prevenção ao acidente vascular cerebral (AVC). Os eventos são para profissionais de saúdes e outros públicos e servirão para conscientizar acerca do tema.

Destaca-se, o AVC é a segunda causa de morte no mundo (e a primeira causa de incapacidade). A doença matou 101,1 mil pessoas no Brasil em 2017, segundo o Ministério da Saúde. Em Goiás, em 2018 foram 1.444, enquanto em 2019, 1.559. A informação é do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS).

Além disso, dados da Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares indicam que aproximadamente 70% das pessoas que sofrem um AVC não têm condições de retomar às atividades profissionais por causa das sequelas. E ainda: metade dos pacientes perde a autonomia.

Ainda segundo o levantamento, a maior parte dos óbitos acontece entre os homens de 70 a 79 anos. Em relação as mulheres, morrem mais aquelas com idade entre 80 e 89 anos.

Semana de prevenção: programação

A semana de prevenção ao AVC começa neste sábado (23), com ações de orientação por médicos especialistas (neurologistas), verificação de pressão arterial e glicemia e distribuição de panfletos referente ao tema. O evento vai de 10h30 às 17h, no Shopping Cerrado, em Goiânia.

Já na terça-feira (26), o Estado promove a live “Falando de AVC, cada minuto é precioso! Orientações de quando suspeitar, o que fazer e como prevenir”, à 19h. A transmissão ocorre na página do Facebook da SES-GO.

Por fim, na quinta-feira (28), o Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) recebe uma atividade para AVC.

Mudar hábitos pode prevenir AVC

Coordenadora-geral de Redes de Atenção da SES-GO, Paula dos Santos Pereira afirma que mudanças e hábitos podem prevenir o problema, enquanto o atendimento em tempo hábil evita sequelas. “Dessa forma, é importante que a população e as pessoas que trabalham em unidades de saúde saibam os sintomas que podem ocorrer nos primeiros momentos.”

Segundo ela, quando os sintomas são percebidos, a orientação é buscar, imediatamente, uma unidade de saúde.

Sobre prevenção, o Ministério da Saúde recomenda alguns hábitos como não fumar, beber (álcool) ou drogas ilícitas. A pasta sugere, ainda, a manutenção de uma alimentação saudável, manter o peso ideal, beber bastante água, praticar atividades físicas regularmente e ter a pressão e a glicose sob controles.