Sindicato quer servidores da secretaria de Economia testados para Covid

Pedido é motivado pelo aumento de casos no Estado; em nota, pasta afirma adotar orientação de órgãos de saúde

Testagem Covid-19 (Foto: Luis Alvarenga/Getty Images)
Testagem Covid-19 (Foto: Luis Alvarenga/Getty Images)

Todos os servidores da Secretaria de Estado da Economia testados para o novo coronavírus (covid-19). Essa é a demanda do Sindicato dos Auditores Fiscais do Estado de Goiás (Sindifisco-GO) à pasta. A Secretaria da Economia, por sua vez, alega que vem aplicando as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e do Governo de Goiás desde o início da pandemia.

Destaca-se que o pedido do sindicato é motivado pelo aumento nos casos da covid-19 em Goiás. Vale destacar que, na última sexta-feira (17), Goiás registrou 65 óbitos relacionados ao coronavírus, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Esse foi o maior número de registros de mortes pela doença desde o início da pandemia. Com estes dados, o total de pessoas mortas chegou a 1.051.

Além disso, foram registrados também 498 casos de infectados nas últimas 24 horas e o total chegou a 40.725. Atualmente, a taxa de letalidade é de 2,6% e a doença chegou a 230 das 246 cidades goianas – as outras 16 possuem casos suspeitos.

“Até agora apenas medidas paliativas por parte da gestão fazendária na contenção do coronavírus foram feitas, deixando de adotar procedimentos básicos que dão efetividade à prevenção, tal como o mapeamento de risco da atividade fazendária para a covid-19 e a identificação das atividades setoriais que demandam ações específicas de prevenção com criação de protocolos de atuação em cada caso”, disse o presidente do Sindifisco, Paulo Sérgio Carmo.

Outras demandas

No pedido, o sindicato também quer que se seja providenciado em no máximo sete dias: o mapeamento de risco da atividade fazendária para o novo coronavírus SARS-CoV-2, identificando as atividades setoriais que demandam ações específicas de prevenção, dentre elas constante higienização, com a criação de um protocolo de atuação, nos moldes daqueles produzidos por outros órgãos deste e de outros estados; efetiva distribuição de Equipamento de Proteção Individual (EPI), a devida orientação para o seu uso (luvas, máscaras, álcool gel), para todos os servidores da pasta; e produção de dados oficiais sobre o quadro de servidores fazendários suspeitos e infectados, com as providências adotadas em cada caso, preservando-se a identidade do servidor.

Secretaria de Economia

Em nota, a pasta de Economia informa que desde o início da pandemia vem aplicando as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e do Governo de Goiás. Entre elas estão a Criação do Comitê de Medidas Emergenciais de Combate à Covid-19; aplicação de modalidade de teletrabalho, e afastamento imediato de servidores do grupo de risco; aquisição e distribuição de todas as EPIs aos servidores, com compra de protetores de acrílico, entre outros.

A Secretaria da Economia ainda informou ainda que as ações já adotadas fazem parte da Matriz de Riscos seguindo princípios determinados na Política de Gestão de Riscos da Economia e a matriz completa será encaminhada ao solicitado no prazo de 7 dias.

Leia a nota na íntegra:

“A Secretaria da Economia informa que desde o início da pandemia vem aplicando as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS|, do Ministério da Saúde e do Governo de Goiás, visando a segurança de todos. São elas:

1. Criação do Comitê de Medidas Emergenciais de Combate à COVID 19 da Secretaria da Economia no dia 19/03/2020, logo após a publicação do Decreto nº 9.634/2020 do Governo do Estado de Goiás que estabeleceu os procedimentos preventivos de emergência a serem adotados pelo Poder Executivo do Estado de Goiás e seus servidores em razão de pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

2. Modalidade de teletrabalho, e afastamento imediato de servidores do grupo de risco. Só estão em modalidade presencial aqueles profissionais cuja presença in loco é indispensável, o que corresponde a 26,4% presenciais. O número de contagiados corresponde a 0,01% do total de servidores da Economia, este é o resultado das ações eficientes e preventivas adotadas. E nestas notificações de 0,01%, a maioria do contágios se deram entre servidores que estavam em modalidade de teletrabalho ou afastamento.

3. Aquisição e distribuição de todas as EPIs aos servidores, e como medida de prevenção, estão sendo adquiridas mascaras de acrílico para serem usadas juntamente com as máscaras comuns já obrigatórias;

4. Campanha Informativa com Comunicados via SEI, email, redes sociais e comunicação visual educativas em cartazes, banners e folders sobre prevenção e obrigatoriedade do uso da máscara em todas as áreas da Economia e durante realização dos trabalhos externos;

5. Criação e divulgação de um email para o servidor fazer denúncia ou comunicar diretamente ao Gabinete a solicitação;

6. Instalação de recipientes com álcool em gel e liquido;

7. Ações preventivas de higienização do Complexo Fazendário, bem como em todas as dependências da Secretaria da Economia no Estado de Goiás, como delegacias ficais e Conselho Administrativo Fazendário (CAT). A limpeza é com a pulverização de hipoclorito de sódio no chão e nas paredes. As estações de trabalho, móveis, equipamentos e utensílios, são esterilizadas com álcool 70 %.

8. Stand na entrada da Secretaria para aferir a temperatura de todos os colaboradores;

9. Tapetes de higienização nas entradas dos blocos;

10. Protocolo de segurança, parceria entre a SGI e a COF, prevendo o afastamento de imediato dos casos por no mínimo 14 dias. Os casos são informados para o email do [email protected] e o Comitê faz o acompanhamento.

A Secretaria da Economia informa ainda que as ações já adotadas fazem parte da Matriz de Riscos seguindo princípios determinados na Política de Gestão de Riscos da Economia ( Portaria n. 093/2019) e a matriz completa será encaminhada ao solicitado no prazo de 7 dias”.