Suspeito de provocar prejuízo de R$ 400 mil com furto de gado é preso em Anápolis

Investigações apontam que Adélio Ribeiro de Mendonça retirava semoventes de propriedades vizinhas às que eram alugadas por ele

Suspeito de provocar prejuízo de R$ 400 mil com furto de gado é preso em Anápolis (Foto: Polícia Civil)
Suspeito de provocar prejuízo de R$ 400 mil com furto de gado é preso em Anápolis (Foto: Polícia Civil)

Um homem de 41 anos foi preso preventivamente pela Polícia Civil na quinta-feira (13), suspeito de provocar um prejuízo superior a R$ 400 mil para criadores de gado em Anápolis. Para praticar os furtos sem ser notado, Adélio Ribeiro de Mendonça, segundo a Polícia Civil, alugava pastos que faziam divisa com fazendas que possuíam muitas cabeças de gado.

Há quatro meses que a Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Rurais (DERCR) tomou conhecimento que vários semoventes estavam desaparecendo de algumas fazendas que ficam perto de Anápolis. Ao investigar o caso, os agentes constataram que a cerca das propriedades de onde pelo menos 120 cabeças de gado foram furtadas, haviam sido cortadas, e depois reparadas, sempre da mesma forma.

Ficou constatado, segundo a delegada Rafaela Azzi, titular da DERCC, que Adélio Ribeiro cortava as cercas durante a madrugada, tocava o gado para o pasto que havia alugado, colocava os animais em um caminhão, e encaminhava para outro local. Para não levantar suspeitas, e fazer com que vizinho demorasse a constatar a falta do animal, ele retornava na divisa das propriedades, fazia o reparo na cerca que havia cortado, e deixava o pasto que havia alugado sempre antes do vencimento do contrato, ficando poucos dias no local. O gado roubado, então, era remarcado pelo próprio Adélio, e vendido para criadores de outras localidades.

Polícia divulga imagem do suspeito à espera de novas vítimas

Adélio Mendonça: imagem foi divulgada pela Polícia Civil

Adélio Mendonça: imagem foi divulgada pela Polícia Civil

Como Adélio é suspeito de cometer vários outros delitos semelhantes, a Polícia Civil resolveu divulgar o nome e a imagem dele para que, caso novas vítimas o reconheçam, que apareçam na DERCR para denunciá-lo. A divulgação da imagem e identificação do preso foi realizada nos termos da Lei n.º 13.869, Portaria n.º 547/2021 – PC e despacho da delegada titular desta unidade, nº 03 DERCR/DGPC- 13550, responsável pelas investigações, especialmente porque visa a identificação de eventuais crimes outros cometidos pelo investigado, bem como surgimento de novas testemunhas e elementos informativos.

A reportagem do Mais Goiás não conseguiu contato com a defesa de Adélio, mas o espaço está aberto, caso queiram se pronunciar. Além da prisão preventiva, os policiais também cumpriram mandados de busca e apreensão no imóvel onde o suspeito estava morando, no Distrito de Souzânia, que fica perto de Anápolis.