Suspeitos de vender drogas em Goiânia pretendiam fraudar Auxílio Brasil, diz polícia

Grupo que oferecia drogas com preços promocionais pela Internet procurava por CPFs de outras pessoas para receber o benefício concedido pelo Governo Federal

Presos por tráfico estariam tentando fraudar o Auxílio Brasil
Presos por tráfico estariam tentando fraudar o Auxílio Brasil (Foto: divulgação - PC)

Três homens e uma mulher, que trabalha como corretora de imóveis, foram presos e autuados em flagrante pela Polícia Civil, suspeitos de tráfico de drogas. Durante as investigações, os agentes do 23º Distrito Policial de Goiânia descobriram que o grupo estava se articulando também para fraudar o Auxílio Brasil, programa do Governo Federal criado para ajudar mensalmente, com R$ 400, famílias de baixa renda.

A polícia chegou até os quatro suspeitos após quatro meses de investigações. Neste período, segundo o titular do 23º DP de Goiânia, delegado Guilherme Correa, foram identificados 11 jovens, com idades entre 20, e 30 anos, que estariam oferecendo drogas em redes sociais. Apenas quatro deles, porém, tiveram participação confirmada no tráfico.

“Nas postagens, além de oferecer descontos para quem adquirisse grandes quantidades de entorpecentes, eles também informavam sobre locais onde estariam sendo realizadas blitz pela polícia, e alertavam para que os entregadores não passassem por estes locais”, descreveu.

Nas residências dos quatro presos, foram apreendidas porções de maconha e haxixe, além de comprimidos de ecstasy, e alguns tubos de lança-perfume. O grupo, de acordo com o delegado, tinha preferência por comercializa os entorpecentes em festas de música eletrônica.

Mentor dos golpes no auxílio ainda não foi identificado

Com a prisão dos quatro suspeitos, a polícia tenta identificar agora quem seria o homem que foi contratado por eles para repassar os nomes e CPFs das pessoas que teriam seus dados usados para a solicitação do Auxílio Brasil.

“Nós apuramos que eles estão estudando estas pessoas há muito tempo, e pretendiam ficar com o dinheiro de quem realmente precisa, mas que sequer sabem que tem esse direito, e agora estamos atrás do chamado consultor do grupo, que em breve será indiciado, e estará preso aqui junto com eles”, garantiu o titular do 23º DP. A Polícia Civil não divulgou os nomes dos quatro presos, que foram autuados por tráfico, e associação para o tráfico.