Talibã censura mulheres nas artes e na mídia, no Afeganistão

“O desaparecimento de qualquer espaço de discórdia e o agravamento das restrições para as mulheres na mídia e nas artes é devastador”, diz entidade de direitos humanos

Talibã proíbe novelas com atrizes no Afeganistão e obriga jornalistas a usar véu (Foto: Reprodução - Twitter)
Talibã proíbe novelas com atrizes no Afeganistão e obriga jornalistas a usar véu (Foto: Reprodução - Twitter)

Segundo informação da Reuters, o Talibã, no Afeganistão, divulgou restrições à mídia do país, como a proibição de dramas televisivos com atrizes e a obrigatoriedade do “hijab islâmico” para âncoras femininas de noticiário – a burca.

Ao todo, foram nove regras divulgadas, nesta semana, pelo Ministério da Propagação da Virtude e Prevenção do Vício do Afeganistão. A informação foi repassada por porta-voz do governo Talibã nesta terça (23), com o intuito de proibir a violação de “valores islâmicos ou afegãos”.

Algumas das regras visam especificamente as mulheres, o que provavelmente provocará preocupações na comunidade internacional.

A entidade internacional de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) criticou as medidas. Ela considera que a liberdade de imprensa está se deteriorando no país.

“O desaparecimento de qualquer espaço de discórdia e o agravamento das restrições para as mulheres na mídia e nas artes é devastador”, disse diretora-associada da HRW na Ásia, Patricia Gossman , em comunicado.

Tomada do Afeganistão pelo Talibã e retirada dos EUA

Vale lembrar, em 15 de agosto, o presidente do Afeganistão Ashraf Ghani deixou o país depois do grupo extremista Talibã cercar a capital do Cabul. Segundo o agrupamento, o controle do palácio presidencial foi tomado após a fuga.

O grupo foi expulso da capital por soldados dos Estados Unidos há 20 anos, após os ataques de 11 de setembro de 2001. Os militares dos EUA também se retiraram do Afeganistão na época.