FolhaPress

“Tinha umas 15 embarcações voltando rapidamente para ficar em área segura”, diz aposentado

O aposentado conta que não estava na área atingida por causa do movimento intenso de barcos no momento da queda das pedras

Foto: Reprodução - Redes Sociais

O aposentado Eduardo Piratelo estava em uma embarcação aguardando para acessar a parte mais visitada nas águas do cânion em Capitólio (MG), quando ouviu um estrondo e, na sequência, a fuga de diversos barcos.

“A gente estava olhando uma tirolesa que passava em cima da gente quando deu um estrondo, um barulho e ninguém sabia o que estava acontecendo. Disseram que era tromba-d’água, mas não estava chovendo forte naquele instante”, conta o aposentado.

A informação de que o barulho foi provocado pela queda do paredão veio junto com a cena de vários barcos navegando em alta velocidade no sentido oposto.

“Todas as embarcações já viraram muito rápido e saímos em alta velocidade todo mundo. Tinha umas 15 embarcações ali voltando rapidamente para ficar numa área segura. Mas foi um momento muito de tensão mesmo”, conta. “Graças a Deus, a gente está ileso. Pena que as outras pessoas não tiveram a mesma sorte”.

O aposentado conta que não estava na área atingida por causa do movimento intenso de barcos no momento da queda das pedras.

“Estávamos chegando nesse cânion e tinha muita gente ali. Então nossa embarcação demorou um pouco para entrar e ficamos até um pouco atrás das outras que estavam na nossa frente, para entrar no cânion porque tinha muitos Barcos lá dentro”, contou.

Segundo o testemunho do aposentado, o paredão atingiu diretamente dois barcos, enquanto a terceira embarcação foi atingida por pedras que se soltaram da falésia no movimento de queda.

“O paredão caiu em cima de duas embarcações, mas uma terceira embarcação sofreu um acidente. Uma das pedras se soltou e pegou a embarcação e arrebentou o para-brisa do barco, que pegou o piloto, que ficou muito machucado e sangrando bastante”.