Trabalhadores alegam que sofreram calote de OS que administrava o Hugo

Denúncias recebidas pelo sindicato mostram que INTS não pagou as verbas indenizatórias depois que saiu da administração do hospital

Trabalhadores alegam que sofreram calote de OS que administrava o Hugo
Foto: Divulgação

Trabalhadores do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) denunciam que a Organização Social (OS) que geria a unidade saiu sem pagar as verbas indenizatórias. O Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde (INTS) assumiu a gestão em agosto de 2019 e a previsão era permanecer por 48 meses. Entretanto, encerrou o contrato com o governo do estado antes do previsto, no dia 31 de dezembro de 2021.

De acordo com reclamações recebidas pelo Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde Goiás (Sindsaúde), a OS não atende telefonemas, e-mails e mensagens. Ainda de acordo com o sindicato, o espaço onde o INTS estava instalado em Goiânia foi esvaziado e entregue.

O caso foi parar no Ministério Público de Goiás (MP-GO). O órgão informou ao sindicato que marcou uma reunião para a próxima terça-feira (18) com a OS para que essas questões sejam esclarecidas.

Por meio de nota, o INTS informou que a informação não procede  e que a OS quitou todos os pagamentos dentro do prazo legal. “Em atenção ao site Mais Goiás, o INTS informa que não procede a informação de que há alguma pendência relativa ao pagamento de rescisões dos colaboradores do Hospital de Urgências de Goiás (HUGO). Vale ressaltar que a Organização Social quitou todos os pagamentos dentro do prazo legal e, enquanto esteve à frente da gestão da unidade de saúde, honrou com todos os compromissos firmados em contrato.”

 

INTS tem histórico de processos trabalhistas

Esse não foi o primeiro problema trabalhista enfrentando pela OS. Em matéria publicada em agosto de 2019, o Mais Goiás apurou que, ao longo de 10 anos de gestão hospitalar, o INTS acumulou 47 processos trabalhistas. Nove deles em São Paulo e os outros 38 na Bahia, estados onde a organização tem atuação.

Saída da OS

A saída da OS foi anunciada no dia 4 de dezembro. Por meio de nota, ela informou que não realizará mais a gestão do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), a partir de 1 de janeiro de 2022.

“Após tratativas diversas, vai encerrar, em comum acordo com a SES [secretaria de Saúde de Goiás], o contrato de gestão do Hugo, no próximo dia 31/12”, diz trecho da nota.

Matéria atualizada dia 14/01/2022 às 18h20 para acréscimo da nota do INTS.