Três crianças morreram com suspeita de dengue, em Anápolis (GO)

Óbitos estão sob investigação. Segundo a Secretaria de Saúde, houve um acréscimo de 205% no número de casos notificados nos meses de janeiro e fevereiro de 2022

Vírus da dengue é transmitido pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti (Foto: Reprodução)
Vírus da dengue é transmitido pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti (Foto: Reprodução)

Três crianças com faixa etária de 1 a 7 anos morreram com suspeita de dengue nos primeiros meses de 2022, em Anápolis (GO). A informação foi confirmada pela gerente de endemias da Secretaria Municipal de Saúde, Patrícia Godói. Os óbitos estão em sob investigação.

Segundo a pasta, houve um acréscimo de 205% no número de casos notificados em de janeiro e fevereiro de 2022, no comparativo do mesmo período do ano passado.

“Dengue é uma doença muito grave, e ela não escolhe idade. Estamos falando de três famílias de Anápolis que perderam crianças possivelmente por complicações dessa doença”, afirmou Patrícia Godói, em entrevista à Rádio São Francisco FM.

Leia também: Anápolis liga sinal de alerta para dengue após registrar aumento de casos

Alerta à população

“Teremos sérios problemas com a dengue nos demais meses, caso a população não faça a parte dela. Existem setores que quase todo o bairro foi acometido pela doença. O cenário é preocupante”, alertou a gerente de endemias.

Além da dengue, o aedes aegypti também é o vetor da zika vírus e da chikungunya. “Nosso trabalho não para, mas o combate à dengue e outras doenças causadas pelo mosquito transmissor é uma via de mão dupla.”

Foto: Bruno Velasco

Foto: Bruno Velasco

Bairros com maior incidência de casos

Segundo Patrícia, os setores: Jardim Alexandrina, Bairro de Lourdes e a região do Recanto do Sol tem apresentado maiores índices de contaminação nas últimas semana. A regiões da Jaiara e Centro também estão no topo das estatísticas.

De acordo com a pasta, são 170 agentes de endemias percorrendo toda a cidade com intensificação em locais que apresentam maior incidência dos focos. Só que para combater o mosquito, é necessário o engajamento de toda a população: desde os cuidados básicos, como não deixar água parada, até o apoio ao trabalho dos agentes.