Trocas constantes de treinadores são temas nos clubes goianos neste início de temporada

O Vila Nova foi o que menos trocou entre os times da capital e o Atlético Goianiense é o que mais mexeu no comando técnico

Jair Ventura, treinador do Goiás
Jair Ventura é o terceiro treinador do Goiás na temporada. Foto: Heber Gomes - Mais Goiás

Atlético Goianiense, Goiás e Vila Nova ainda não se firmaram com um treinador no ano. O colorado foi o que mais tempo ficou com um comandante, Higo Magalhães, por 25 partidas no ano, porém o técnico foi substituído por Dado Cavalcanti. A semana também teve outra mudança no comando técnico do Dragão, que trocou Umberto Louzer por Jorginho.

As mudanças nos comandos técnicos vem sendo frequentes nas equipes da capital nesta temporada. No Atlético Goianiense, o clube começou com Marcelo Cabo, contou com dois técnicos interinos, Eduardo Souza e Anderson Gomes e por último teve Umberto Louzer, que ficou na equipe por 22 jogos. A bola da vez no clube será Jorginho, que foi anunciado um ano após sua saída do Dragão em 2021.

O time do Goiás também contou com várias mudanças de treinadores nesta temporada. O alviverde iniciou com Glauber Ramos como interino, na sequência chegou Bruno Pivetti, que ficou apenas 7 jogos, com a saída, Glauber Ramos voltou a treinar a equipe, mas acabou cedendo espaço para o atual comandante alviverde, Jair Ventura, que já acumula 5 partidas pelo clube.

O Vila Nova teve apenas uma alteração, nesta semana, o técnico Higo Magalhães, que estava há frente do Vila Nova há 50 rodadas consecutivas (25 neste ano), acabou não suportando os maus resultados e foi demitido. Dado Cavalcanti, que terá a primeira experiência no futebol goiano será o responsável por comandar o clube no decorrer do ano.