TSE e MPE vão investigar denúncia de uso político da Caixa Econômica pelo presidente da instituição

Ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) encaminharam a denúncia

TSE e MPE vão investigar denúncia de uso político da Caixa Econômica pelo presidente da instituição
TSE e MPE vão investigar denúncia de uso político da Caixa Econômica pelo presidente da instituição - (Foto: Agência Brasil)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Ministério Público Eleitoral (MPE) vão investigar Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), após denúncia de uso de recursos para promoção política pessoal e propaganda eleitoral antecipada.

Ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) encaminharam a denúncia, que chegou ao MPE nesta semana e ao TSE, dia 15.

O movimento sindical bancário e a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), que se posicionaram favoráveis a medida e defendem a investigação ampla da denúncia, foram os responsáveis por mover a ação.

Para a coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa e secretária de Cultura da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), Fabiana Uehara Proscholdt, é preciso que haja punição dos culpados para que o banco não tenha sua “imagem maculada”.

Denúncias apresentam atos realizados em benefícios de ordem pessoal pelo presidente da Caixa

Na ação, as entidades sindicais demonstram a prática de atos lesivos ao patrimônio da Caixa pela presidência da estatal “com vistas exclusivas a benefícios de ordem pessoal”.

O documento traz, além das diversas viagens de Pedro Guimarães com recursos e estrutura do banco, a veiculação de fotos de agendas em meios oficiais de divulgação da Caixa.

A acusação abrange, ainda, o contrato de uso de imagem de Pedro com Cuiabano Lima, personalidade próxima ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo consta nos autos, não informações de detalhes sobre os termos da parceria pela direção da estatal.

Desta forma, o TCU entendeu que há evidências de possível campanha eleitoral antecipada. Agora o Ministério Público Eleitoral e Tribunal Superior Eleitoral analisarão o processo.