FolhaPress

Vacinas têm alta eficácia contra casos graves de ômicron, mostram dados dos EUA

Proteção para evitar hospitalizações é estimada em 90%, após 14 ou mais dias da dose de reforço

Governo federal ainda não respondeu Goiás sobre envio de vacinas em temperatura errada
Vacinas têm alta eficácia contra casos graves de ômicron, mostram dados dos EUA (Foto: Jucimar Sousa - Mais Goiás)

As vacinas e doses de reforço contra a Covid-19 continuam apresentando uma eficácia muito alta contra as consequências graves da doença durante a onda da variante ômicron, informou nesta sexta-feira (21) um estudo dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

O relatório da agência de saúde pública americana analisou dados de mais de 300 mil visitas a departamentos de emergência, clínicas de atendimento urgente e hospitalizações em dez estados do país, entre 26 de agosto de 2021 e 5 de janeiro de 2022.

Durante o período em que a variante delta era dominante, a eficácia da vacina para prevenir a hospitalização por Covid-19 foi de 90%, entre 14 e 179 dias depois da segunda dose, caiu para 81% mais de 180 dias depois da segunda dose e aumentou para 94%, 14 dias ou mais depois da terceira dose.

Depois que a ômicron se tornou a cepa dominante, a estimativa de eficácia da vacina para evitar hospitalizações entre 14 e 179 dias após a segunda dose foi de 81%, de 57% após mais de 180 dias da segunda injeção e de 90% 14 ou mais dias depois da dose de reforço.

Uma segunda pesquisa dos CDC, baseada em dados de 25 jurisdições estaduais e locais dos Estados Unidos, descobriu que a eficácia da vacina para prevenir um contágio diminuiu de 93%, antes da delta, para cerca de 80% quando a delta se tornou dominante. Contudo, a proteção contra mortes se manteve estável em 94%.

A eficácia da vacina contra a infecção caiu para 68% quando surgiu a ômicron. Os autores, no entanto, não puderam estimar a eficácia da vacina contra óbitos durante o avanço da ômicron, devido a um atraso nos relatórios. Contudo, a expectativa científica geral é que continuará sendo muito alta.

O documento também mostrou que, se as mortes entre os completamente vacinados aumentaram consideravelmente durante a onda de delta, com um total de mais de 20 mil óbitos entre julho e novembro, as pessoas não vacinadas ainda tinham 16 vezes mais chances de morrer durante o mesmo período.

A proteção foi ainda maior para as pessoas que receberam a dose adicional. Entre outubro e novembro, as pessoas não vacinadas tinham cerca de 50 vezes mais chances de morrer de Covid-19 que as pessoas imunizadas com três doses da vacina.