Veja o que é preciso saber na hora de abrir um negócio em Goiás

Nos oito primeiros meses deste ano, foram registradas 23.270 novas empresas no Estado

Veja o que é preciso saber na hora de abrir um negócio em Goiás
Veja o que é preciso saber na hora de abrir um negócio em Goiás - (Foto: Pixabay)

A retomada da economia no cenário pós-covid no Brasil estimula empreendedores a tirar do papel projetos adiados pela pandemia, mas daí surge a pergunta: quais são os passos a seguir para abrir um negócio em Goiás? O economista e especialista em gestão financeira Danilo Orsida afirma que a primeira providência é amadurecer a ideia e criar um planejamento estratégico, que contenha os princípios básicos da operacionalização da empresa.

“É importante estabelecer um plano de negócios com as estratégias de posicionamento da empresa, ou seja, políticas de marketing, as projeções de fluxo e caixa, fontes de financiamento para a atividade. Além disso, decidir qual valor de capital próprio será investido. Isso é demonstrar qual caminho será percorrido”, afirma o especialista.

Buscar auxílio e observar mercado é fundamental, diz especialista

Orsida enumera perguntas o empreendedor deve fazer a si mesmo: qual o mercado a atingir? Qual é o público-alvo? Por que as pessoas vão precisar do produto ou serviço a ser oferecido? Que diferencial a empresa pode oferecer para chamar a atenção diante da concorrência? Quem são os possíveis concorrentes e qual ação se deve realizar? Quais são os riscos de mercado (tecnológico, regulatório e de execução)? A ideia é viável no curto, médio e longo prazo?

“Há instituições que fazem um trabalho valioso de consultoria. Uma alternativa é procurar consultores no mercado ou até mesmo o Sebrae que seria uma ajuda profissional”, afirma o especialista.

Na avaliação de Orsida, fazer um bom planejamento estratégico, com cálculo de custos fixos e operacionais, é uma das melhores maneiras de poupar a empresa de desembolsos desnecessários e consequentemente da falência.

“Não há outro caminho se não o planejamento estratégico”

“Não há outro caminho se não o planejamento estratégico e inclusive é importante também que haja uma análise da concorrência. Não é importante ter só uma boa ideia, mas avaliar quem são os concorrentes, quem já está posicionado a níveis de mercado e a relação entre produtos e serviços oferecidos”, reforça.

O especialista afirma, que a burocracia ainda é um obstáculo enfrentado pelo novo empresário brasileiro que deseja ser dono do seu negócio. “Como envolve uma série de etapas e de documentações, abrir empresa pode significar dor de cabeça se esse momento não for devidamente planejado”, pontua reforçando a necessidade de um bom planejamento.

“No Brasil temos dois grandes gargalos para o empresário. São os custos trabalhistas e tributários, que a longo prazo acabam onerando o empreendedor. Deve-se ficar atento aos custos e principalmente aos tributários”, avaliou Danilo.

Confira em tópicos algumas dicas para começar um negócio:

– Amadureça a ideia antes;

– Monte um plano de negócio;

– Pesquise o mercado e a concorrência;

– Defina os produtos e serviços;

– Busque orientação.

Sebrae e Juceg lançam programa Comece Certo para micro e pequenos empreendedores

Em comemoração ao Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa, a Junta Comercial do Estado de Goiás (Juceg) e o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Goiás) lançam um novo serviço: o Comece Certo. Nesta terça-feira (5), serão oferecidos orientação e apoio grauitamente aos interessados em formalizar uma empresa na Juceg.

Com o registro, a pessoa será orientada pela equipe do Sebrae a conhecer soluções práticas que vão contribuir com uma gestão. São cursos, consultorias, oficinas, dentre outros serviços totalmente gratuitos.

Objetivo é impulsionar a empresa, orientar e capacitar os empresários para que comecem certo na administração do novo negócio, identificando oportunidades e conferindo soluções de mercado para conquistar lucros. Todas as pessoas que vão formalizar o próprio negócio na Juceg podem ter acesso ao Comece Certo.

Após formalizar a empresa na Juceg, todos os interessados serão atendidos pela equipe do Sebrae, que vai orientar sobre a programação de encontros de negócios, cursos, consultorias, feiras, oficinas e conteúdos digitais mais adequados para cada empresa.