Veneno mata cerca de cinco milhões de abelhas em Orizona

Com morte criminosa de abelhas, apicultor estima prejuízo de cerca de R$ 150 mil

Imagem mostra milhares de abelhas mortas, espalhadas na colmeia e no chao, após serem envenenadas. Foto ilustra chamada: Apicultor denuncia morte criminosa de abelhas em Orizona
Apicultor denuncia morte criminosa de abelhas em Orizona (Foto: Reprodução - Rafael Pereira)

Um apicultor denunciou ao Mais Goiás a morte criminosa de abelhas na cidade de Orizona, interior de Goiás. Segundo Rafael Jacinto Pereira, ele acordou na manhã de quarta-feira (11) e encontrou suas 50 colmeias contaminadas por uma substância tóxica, que provocou a morte dos animais.

“A gente está na época de safra, esses enxames estão todos cheios de mel e agora as abelhas todas estão mortas. Isso é um ato irresponsável de alguém. Uma covardia com os bichos. Agora, o apiário está com um cheio horrível, de carniça, de abelhas mortas”, lamentou ele.

Morte criminosa das abelhas causa prejuízo ao trabalhador

Além da revolta, o apicultor lamenta os danos financeiros e sentimentais gerados com o acontecido. Por estar na época da safra, Rafael estima que terá um prejuízo de pelo menos R$ 150 mil, pois todo o mel será desperdiçado.

“Eu quase morri quando cheguei e vi aquilo. Pensei em desistir de tudo. Trabalho há 17 anos com isso, é minha renda principal, mas desanima. Quero justiça”, afirma o apicultor.

Rafael explica que era dono de 50 colmeias, sendo que cada uma delas possui em torno de 100 mil abelhas. “Ia ter uma colheita de mel agora e, daqui uns mês mais ou menos, ia ter outra. Agora com esse acontecido eu perdi as duas. Ou seja, o prejuízo, só com a venda do mel, é dobrado. Fora a tristeza!”, diz.

Como a morte criminosa das abelhas aconteceu?

As abelhas transitam por até 3 quilômetros próximos da região da colmeia. Nesta ocasião, o enxame teria encontrado uma propriedade rural vizinha, onde há uma criação de bovinos.

Imagem mostra milhares de abelhas mortas, espalhadas na colmeia e no chao, após serem envenenadas. Foto ilustra chamada: Apicultor denuncia morte criminosa de abelhas em Orizona

Com morte criminosa de abelhas, apicultor estima prejuízo de cerca de R$ 150 mil (Foto: Reprodução – Rafael Pereira)

“A região aqui produz muito leite, né? O pessoal tritura o milho, umedece ele para alimentar os animais. Tem isso a uns 800 metros daqui do apiário. E as abelhas procuram muito isso nesta época do ano, pra alimentar mesmo”, explica o trabalhador.

Incomodado com a presença dos animais, a vítima acredita que o vizinho acabou pulverizando as abelhas com veneno. “Elas foram pulverizadas com o veneno. Voltaram pra colmeia e contaminaram as outras todas. Morreu tudo”, diz Rafael.

Morte criminosa das abelhas está sendo investigada

O apicultor afirma que é a sexta vez que sofre com a morte criminosa das abelhas de sua propriedade. Ele diz que já chegou a denunciar o crime ao Ministério Público, mas que nada foi feito. Dessa vez, mesmo desacreditado, ele relata que foi incentivado por outros colegas apicultores a denunciar o crime.

De acordo com a Polícia Civil, o caso será devidamente investigado. O outro fazendeiro, apontado pelo apicultor como responsável por matar as abelhas, já foi localizado e intimado à prestar esclarecimentos na Delegacia.

A corporação informou ainda que enviará perícia ao local para investigar qual teria sido a real causa da morte dos animais. É crime matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, como é o caso das abelhas.

O crime está previsto no Artigo 29 de crimes ambientais. A pena pode variar entre seis meses a um ano de prisão, além de multa.