Vídeo de idosa com medo de segurar mão de repórter branca comove a web; assista

Madalena Santiago foi resgatada de um trabalho análogo à escravidão na Bahia

Doméstica medo de segurar mão de repórter branca. Ex-patroa de Madalena da Silva diz que não pagava salário porque a considerava
(Foto: reprodução Tv Globo)

Desde a última quinta-feira (28), viralizou nas redes sociais o vídeo de Madalena Santiago da Silva, de 62 anos. A idosa foi resgatada de um trabalho análogo à escravidão e chorou bastante durante uma reportagem da TV Bahia. Madalena, que é negra, ficou emocionada ao segurar a mão da repórter Adriana Oliveira, que é branca.

“Fico com receio de pegar na sua mão branca”, disse Madalena durante a reportagem. Emocionada, a jornalista estendeu as mãos para a mulher. “Mas por quê? Tem medo de que?”.

A idosa responde que achava feio colocar as mãos por cima de uma mão branca. “Porque ver a sua mão branca. Eu pego e boto a minha em cima da sua e acho feio isso”, explicou.

A repórter abraçou Madalena e disse que ambas tinham direitos iguais independente da questão racial. “Sua mão é linda, sua cor é linda. Olhe para mim, aqui não tem diferença. O tom é diferente, mas você é mulher, eu sou mulher. Os mesmos direitos e o mesmo respeito que todo mundo tem comigo, tem que ter com você”.

Assista ao vídeo da idosa com medo de segurar a mão da repórter:

Maus-tratos

Dos 62 anos de vida que Madalena Santiago da Silva tem, ela viveu 54 em trabalho análogo à escravidão. A empregada doméstica vivia em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, até março do ano passado, quando foi resgatada da residência onde trabalhava em uma ação do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Ela conta que, quando vivia com os antigos patrões, não recebia salário, era maltratada e sofria racismo. Além disso, ela foi vítima de um golpe da filha dos donos do imóvel, que fez empréstimos no nome de Madalena e ficou com R$ 20 mil da aposentadoria da doméstica.

A idosa relembra que era constantemente maltratada e xingada de “negra desgraçada”.

Atualmente, Madalena vive com familiares e recebe seguro desemprego e um salário mínimo de ação cautelar movida pelo MPT contra os antigos patrões.

Repercussão

Nas redes sociais, internautas se revoltaram com a história relatada pela doméstica. “Inacreditável e vergonhoso ver uma matéria desta em pleno século XXI”, “O ódio tomou conta de tudo… sempre existiu, mas parece que tudo piorou nos últimos anos” e “Deveriam expor o rosto e os nomes dessa família de bandidos”, foram alguns dos comentários no Twitter.

*Com informações do G1 e iBahia