Demissões

Confira os jornalistas demitidos da Jovem Pan após eleição de Lula

A emissora, que mostrou ser apoiadora da reeleição de Jair Bolsonaro (PL) durante a condução…

Jair Bolsonaro
Augusto Nunes e Guilherme Fiuza foram alguns dos comentaristas demitidos da Jovem Pan - Reprodução

A emissora, que mostrou ser apoiadora da reeleição de Jair Bolsonaro (PL) durante a condução da campanha, desligou funcionários que se tornaram grandes defensores do candidato da extrema-direita, como Carla Cecato, Augusto Nunes e Caio Capolla.

De acordo com informações da coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, Tutinha disse durante um reunião interna que “a desobediência civil não sairá do meu bolso”. Ou seja, o empresário teme que precisa pagar à Justiça pelas falas dos comentaristas bolsonaristas mais ferrenhos que desrespeitem as regras do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Pouco antes das eleições, a Jovem Pan foi autuada pelo órgão judiciário por ter divulgado fake news acerca do candidato petista, como chamá-lo de ex-presidiário.

Como Lula teve todas suas condenações anuladas, o político não poderia ser citado dessa maneira. Em caso de descumprimento, a empresa deveria pagar 25 mil reais à Justiça por cada autuação.

Mas, com o resultado das eleições em que tornou Lula o novo presidente eleito, a Jovem Pan optou por demitir seus comentaristas mais alinhados aos bolsonaristas por evitar que novas multas sejam aplicadas no futuro governo do petistas.

São eles: Carla Cecato, Caio Copolla, Guilherme Fiuza, Augusto Nunes, Cristina Graeml, Guga Noblat, Maicon Rodrigues