trabalho

Desemprego sobe a 7,8% até fevereiro; renda segue em alta

Taxa vem em linha com previsões de analistas; Brasil tem 8,5 milhões em busca de vagas, diz IBGE

Desemprego sobe a 7,8% até fevereiro; renda segue em alta Taxa vem em linha com previsões; Brasil tem 8,5 milhões em busca de vagas
(Foto: Agência Brasil)

VIA FOLHAPRESS – A taxa de desemprego do Brasil subiu a 7,8% no trimestre até fevereiro de 2024, após marcar 7,5% nos três meses anteriores, encerrados em novembro de 2023. É o que apontam dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) divulgados nesta quinta-feira (28) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O novo resultado veio em linha com a mediana das expectativas dos analistas do mercado financeiro, que também era de 7,8%, segundo a agência Bloomberg.

De acordo com o IBGE, o número de desempregados aumentou para8,5 milhões até fevereiro. O contingente era de 8,2 milhões nos três meses anteriores. Trata-se do primeiro aumento do grupo desde o trimestre móvel encerrado em abril de 2023, disse o instituto.

Segundo a coordenadora de pesquisas domiciliares do IBGE, Adriana Beringuy, o avanço da taxa de desocupação nessa época do ano está associado ao retorno de pessoas que, eventualmente, tinham interrompido a busca por trabalho e que voltaram a procurar uma ocupação nos meses iniciais de 2024.

Por outro lado, o número de desocupados ficou 7,5% abaixo do registrado no mesmo trimestre móvel de 2023 (9,2 milhões).

A população desempregada reúne pessoas de 14 anos ou mais que estão sem ocupação e que seguem à procura de oportunidades. Quem não está buscando vagas, mesmo sem ter emprego, não faz parte desse grupo nas estatísticas oficiais.

Pnad Contínua abrange atividades formais e informais, incluindo desde empregos com carteira assinada e CNPJ até os populares bicos.

A população ocupada com algum tipo de trabalho foi estimada em quase 100,3 milhões. Assim, não apresentou variação estatisticamente significativa na comparação com o trimestre anterior (100,5 milhões), afirmou o IBGE.

O instituto também apontou que a renda da população ocupada seguiu em alta. O rendimento real habitual de todos os trabalhos foi estimado em R$ 3.110 até fevereiro.

Isso representa um avanço de 1,1% ante o trimestre até novembro (R$ 3.076) e de 4,3% na comparação com igual período de um ano antes (R$ 2.982).

No recorte trimestral, a taxa de desemprego já havia marcado 7,6% no trimestre até janeiro. Esse período, contudo, integra outra série da Pnad. A pesquisa apresenta três séries trimestrais comparáveis.