investigação

Polícia investiga vereador bolsonarista que tentou instalar CPI contra padre Júlio Lancellotti

Ministério Público acatou denúncia contra Rubinho Nunes (União)

Polícia investiga vereador bolsonarista que tentou instalar CPI contra padre Júlio Lancellotti denúncia contra Rubinho Nunes (União)

O 1° Distrito da Polícia Civil do Estado de São Paulo instaurou um inquérito de investigação contra o vereador Rubinho Nunes (União Brasil), que no início do ano tentou aprovar duas CPIs na Câmara paulistana que miravam o trabalho filantrópico do padre Júlio Lancellotti, da Paróquia de São Miguel Arcanjo. Em nota, a corporação informou que diligências estão em andamento para esclarecer os fatos.

A investigação ocorre por determinação do Ministério Público (MP-SP), que foi acionado pelo Instituto Padre Ticão em janeiro. Segundo a associação, o vereador tentou abrir um colegiado sem ter indício de conduta criminosa por parte do religioso, o que caracterizaria abuso de autoridade.

“Uma CPI é um instrumento muito caro à sociedade democrática, não podendo seu uso ser indiscriminado e flutuar ao sabor das circunstâncias, destoando do interesse público”, diz o instituto na representação inicial.

O promotor Paulo Henrique Castex, da 4ª Promotoria de Justiça Criminal da Capital, determinou a instauração do inquérito sob o argumento de que é preciso apurar se de fato houve repercussão criminal.

Após tomar conhecimento do caso, Rubinho Nunes afirmou que a decisão do MP é um “completo absurdo” e disse que o objetivo é intimidá-lo. (Leia a íntegra do posicionamento no final da reportagem)

Tudo começou em dezembro do ano passado, quando Rubinho Nunes propôs a CPI das ONGs. Em janeiro, a iniciativa que chegou a ter 25 assinaturas, virou alvo de repúdio dentro e fora da Casa quando o vereador passou a citar o nome de Lancellotti publicamente. O requerimento inicial não citava o pároco.

— Existe uma chamada máfia da miséria para obter ganhos por meio da boa-fé da população e isso não é ético e nem moral. O padre Júlio é o verdadeiro cafetão de miséria em São Paulo. A atuação dele retroalimenta a situação das pessoas. Não é só comida e sabonete que vai resolver a situação — disse.

Já em março, uma nova CPI foi proposta. Desta vez, para investigar abuso sexual contra moradores de rua da cidade de São Paulo. Apesar de não citar novamente Júlio Lancellotti, o vereador voltou a fazer associações.

O que diz Rubinho Nunes

Acabo de ser informado que um Instituto chamado “Padre Ticão” representou contra mim no MP por abuso de autoridade, simplesmente por que eu propus uma CPI para investigar o Sr. JULIO LANCELOTTI e as ONGs que lucram com a Miséria no Centro de SP.

Isso é um completo absurdo!

1. que ao invés deste instituto e do MP se preocuparem em investigar as gravíssimas denúncias de abuso sexual contra o Júlio Lancelotti, vão investigar um denunciante?

2. que não há qualquer abuso de autoridade, a abertura de CPI é prerrogativa legal do parlamentar, que ainda goza de imunidade constitucional de votos e opiniões.

Tudo isso é uma tentativa bizarra de intimidação para acobertar tanto o Sr. Lancelotti quanto as ONGs que atuam na região central e lucram com a miséria. Isso pode até funcionar com outros políticos, mas comigo apenas serve de motivação para investigar.

Por fim, vou estudar uma Representação Criminal contra os responsáveis pelo instituto por Denunciação Caluniosa Eleitoral, haja vista que aguardaram a eleição se avizinhar para apresentar a estapafúrdia denúncia.

*VIA O GLOBO