investigação

Polícia encontra ossada que pode ser de mulher desaparecida, em Orizona

Corpo pode ser Dayara Talissa Fernandes da Cruz, de 21 anos

Polícia encontra ossada que pode ser de mulher desaparecida, em Orizona Corpo pode ser Dayara Talissa Fernandes da Cruz, de 21 anos

A Polícia Civil de Goiás (PCGO) encontrou, neste sábado (6), uma ossada humana que pode ser de Dayara Talissa Fernandes da Cruz, 21 anos, mulher reportada como desaparecida pelo marido. Os restos mortais foram recolhidos pelo Instituto Médico Legal (IML) em uma fazenda de Orizona, município a 137 quilômetros de Goiânia. Enquanto a PCGO investiga se Dayara foi vítima de feminicídio, o marido da jovem, Paulo Antônio Herberto Bianchini, está preso.

Segundo o delegado Kennet Carvalho, a ação na propriedade rural visava obter informações sobre a mulher, já que as investigações indicavam que ela esteve com Paulo na fazenda entre o final de fevereiro e o dia 10 de março.

A polícia encontrou a ossada enterrada a aproximadamente 5 metros de profundidade.

“Os restos mortais, juntamente com os pertences encontrados no local, foram recolhidos pelo IML. As investigações continuam para esclarecer a autoria e a possível participação de outros envolvidos”, afirmou o delegado ao G1.

Ossada de mulher em Orizona: Marido é suspeito de matar esposa e fingir que ela desapareceu

Paulo Antônio Herberto Bianchini, de 34 anos, foi preso suspeito de matar Dayara Talissa e fingir que ela desapareceu ao ser deixada na rodoviária de Orizona, no interior de Goiás.

De acordo com as investigações, a jovem teria sumido no dia 10 de março deste ano. O marido só noticiou o suposto desaparecimento em 25 de março.

No decorrer das apurações, o homem disse que a esposa desapareceu depois que ele a deixou na rodoviária da cidade de Orizona. A Polícia constatou diversas contradições nos depoimentos do companheiro de Dayara, que passou a ser considerado o principal suspeito.

No dia 24 de junho, policiais civis cumpriram mandados de busca e apreensão em desfavor do investigado nas cidades de Morrinhos, Pontalina, Itumbiara e Buriti Alegre. Nesta data, o homem não foi localizado. Ele se apresentou à Polícia no dia 1º de julho.

A investigação segue no intuito de descobrir a dinâmica e motivações do crime.