DIGITALIZAÇÃO

Processo de licitação da área azul digital está em ‘fase final’, diz prefeito de Goiânia

O processo de licitação que vai contratar uma empresa para tocar o serviço de digitalização…

O estacionamento rotativo, também conhecido como Área Azul, passou a ser adotado pela Prefeitura de Goiânia na na Região da 44, nesta segunda-feira (7). De acordo com a Secretaria Municipal de Mobilidade (SMM), objetivo é melhorar ordenação dos veículos nas vias, com democratização do espaço público e valorização do cidadão e do comércio.
Área Azul (Foto: Prefeitura de Goiânia)

O processo de licitação que vai contratar uma empresa para tocar o serviço de digitalização da área azul digital está em ‘fase final’ mas ainda não há um prazo específico para a execução da operação. Na prática, o serviço deve ser disponibilizado apenas no ano que vem. O cronograma da Prefeitura de Goiânia era de disponibilizá-lo ainda em 2023.

A declaração foi dada pelo prefeito Rogério Cruz (Republicanos) ao Mais Goiás. “Nós temos um processo em andamento de licitação que é o que há de mais moderno no país. Está em fase final o processo de licitação para trazermos a Goiânia a área azul digital”, destacou. 

No entanto, Rogério Cruz evitou dar detalhes sobre cronograma para disponibilização do serviço. “Isso depende da licitação. Está quase no fim”, destacou ao portal. O assunto veio à tona novamente na esteira do debate sobre a revitalização do Centro de Goiânia. O prefeito garante que vai entregar à população um serviço de qualidade. “Eu gosto muito da tecnologia e não há nada melhor do que pegar o smartphone e fazer tudo pelo celular acompanhando toda a questão das vagas no centro de Goiânia”.

A expectativa da Prefeitura de Goiânia era de que o serviço saísse ainda este ano. As bancas de revistas que fazem comercialização do cartão sequer possuem cartelas de 2023. “Falaram que iam digitalizar e não mandaram mais”, destacou um proprietário de uma banca que vende o serviço ao Mais Goiás. A cartela utilizada pelos motoristas ainda se refere ao ano passado. “Estão utilizando as mesmas. Só tenho a de uma hora, inclusive. A de duas horas acabou e não enviaram mais”.

O assunto foi motivo de cobrança do líder do prefeito na Câmara dos Vereadores, Anselmo Pereira (MDB) durante apresentação do projeto de revitalização do centro de Goiânia na última terça-feira (23). “Nada do que está sendo apresentado aqui terá efeito, se o processo de digitalização da área azul do centro da cidade não for acelerado. É preciso avançar rapidamente para esta solução”, destacou.

Atualmente, a hora do estacionamento custa R$ 1,50. A expectativa é que quando o serviço for digitalizado, o valor salte para R$ 2,50. Os motoristas que excederem o tempo permitido após o pagamento, seja de uma hora ou duas, ou mesmo sem o ticket validado, vão receber um “aviso de irregularidade” e terão um tempo, ainda a ser estipulado, para a regularização. Depois deste período, o veículo estará passível de penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). As autuações por infração devem ser feitas pelos agentes de trânsito.

Atualmente, o sistema está presente em ruas do Centro, do Setor Campinas e da região da Rua 44, no Norte Ferroviário. Ainda não há no entanto, a totalidade de vagas que serão ofertadas e nem que todas as regiões serão contempladas de uma só vez. A expectativa é que a operação comece a partir da região central.

O processo de licitação vem sendo tocado pela Secretaria de Administração da Prefeitura de Goiânia que tem feito adequações solicitadas pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) que havia solicitado correções de alguns pontos do edital. Questionado sobre detalhes dessas adaptações, nem Secretaria de Mobilidade tampouco a Administração responderam os questionamentos da reportagem.