Ministro das Comunicações

Juscelino Filho é indiciado pela PF em inquérito sobre suposto desvio de emendas no Maranhão

Ministro das Comunicações nega qualquer irregularidade e que recursos beneficiaram 11 povoados em cidade administrada por sua irmã

Ministro das Comunicações Juscelino Filho é indiciado pela Polícia Federal
Ministro das Comunicações Juscelino Filho é indiciado pela Polícia Federal

A Polícia Federal indiciou o ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil) em um inquérito que investiga suspeitas de desvio de emendas parlamentares para pavimentação de ruas de Vitorino Freire, no interior do Maranhão. A cidade é comandada pela irmã de Juscelino, Luanna Rezende, que chegou a ser afastada do cargo no ano passado. Ela retomou o mandato após decisão do ministro Supremo Tribunal Federal (STF).

O indiciamento foi antecipado pelo jornal Folha de São Paulo e confirmado pelo GLOBO. A ação que tramita no STF era relatada pelo ministro Luís Roberto Barroso, mas foi herdada pela então ministra Rosa Weber em setembro do ano passado. Com a aposentadoria de Rosa, quem assumiu a relatoria foi o ministro Flávio Dino, que foi adversário político de Juscelino no Maranhão. Antes de assumir a vaga na Corte, Dino chegou a afirmar a interlocutores que poderia se declarar impedido de julgar o caso.

LEIA TAMBÉM: Juscelino Filho devolve dinheiro ao governo por viagem para ir a leilão de cavalo

Ministério das Comunicações afirmou, em fevereiro, que titular é “vítima”

Em nota divulgada quando a PF realizou uma operação para investigar o caso, no ano passado, o Ministério das Comunicações havia afirmado que Juscelino é “vítima de uma acusação injusta” e é “o maior interessado para que este caso seja esclarecido”. “Sua conduta sempre foi pautada pela ética, responsabilidade social e utilização adequada dos recursos públicos para melhorar as condições de vida da população mais pobre”, diz o texto enviado pela pasta.


Em entrevista ao GLOBO, em fevereiro, o ministro afirmou ver “com muita tranquilidade” as apurações e se “colocou à disposição” para dar explicações.

— Cabe ao parlamentar fazer a indicação das emendas, de como vai ser executado por prefeituras, governos locais. Dali para frente, cabe ao Executivo executar e ao órgão de controle fiscalizar. Cada um com seu papel dentro do estabelecido para a execução do Orçamento. E é importante colocar que essa empresa que estava executando essa obra (investigada pela PF) é uma empresa de grande porte no Maranhão, que executa dezenas ou centenas de obras. Não é nada pontual — disse, na ocasião.

A emenda parlamentar investigada foi indicada por Juscelino quando ele era deputado federal, ou seja, antes de assumir o cargo de ministro. O dinheiro foi enviado por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) do Maranhão.

Um relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) apontou que 80% da estrada custeada pela emenda beneficiou propriedades dele e de seus familiares na região. O documento da CGU foi revelado pelo jornal Folha de S. Paulo.


Na ocasião, o ministro afirmou que a obra em questão “é um bem do povo de Vitorino Freire e a sua pavimentação, uma demanda antiga da população”. Segundo Juscelino, as emendas indicadas por ele foram repassadas dentro da legalidade e beneficiaram 11 povoados de Vitorino Freire.

“A estrada em questão conecta 11 povoados, onde centenas de pessoas sofrem, diariamente, com grandes desafios para se locomoverem ao trabalho, escolas, hospitais e postos de saúde, especialmente durante períodos chuvosos, quando a via se torna intransitável, isolando essa população”, afirmou ele.

A obra de pavimentação da estrada foi orçada em R$ 7,5 milhões e tocada pela construtora Construservice, que tinha como sócio oculto o empresário Eduardo José Barros Costa, mais conhecido como “Eduardo DP” ou “Imperador”.

O relatório da PF aponta que Juscelino integraria uma “organização criminosa” com o empresário com base em mensagens analisadas pelos investigadores no celular de Eduardo DP no período entre 2017 e 2020.

Juscelino Filho prestou depoimento de 15 minutos

Juscelino chegou a prestar um curto depoimento à Polícia Federal no mês passado, via videoconferência, que foi interrompido depois 15 minutos. Os advogados dele pediram uma questão de ordem logo no início da audiência, argumentando que ele só deveria dar esclarecimentos sobre o objeto apurado no Supremo ). Ele chegou a responder a algumas questões sobre a sua movimentação financeira e a sua relação com Vitorino Freire.

Em sua rede social, o ministro fez críticas à maneira como a PF tem conduzido o inquérito que o tem como alvo, dizendo que a instituição “repete” os métodos da Operação Lava Jato.

“Infelizmente, o delegado optou por basear suas perguntas em informações que extrapolam o objeto da apuração, que sequer foram fornecidas a meus advogados, evidenciando que o propósito da investigação é devassar a minha vida e encontrar algo contra mim a qualquer custo. Esse método repete o modus operandi da Operação Lava Jato que, como sabemos, resultou em consequências danosas a pessoas inocentes”, criticou o ministro.

Texto: Agência O Globo