DENÚNCIA

MP-GO denuncia auditor fiscal suspeito de corrupção na apreensão de gado em Urutaí (GO)

Homem solicitou dinheiro para destruir os documentos da apreensão e retirar a suposta multa

Auditor fiscal é preso suspeito de corrupção na apreensão de gado em Urutaí (GO)
Auditor fiscal é preso suspeito de corrupção na apreensão de gado em Urutaí (GO)(Foto: PC - Divulgação)

O Ministério Público de Goiás (MPGO) denunciou o auditor fiscal Adenilson José dos Santos, da Receita Federal de Goiás, por inserir informações falsas no termo de apreensão de uma carga de gado e solicitar pagamentos em dinheiro ao proprietário da carga com promessas de que o documento seria destruído. O auditor, de 46 anos, segue preso desde o último dia 18 de abril.

Segundo a denúncia, o auditor estava no posto fiscal da GO-330, em Orizona, quando abordou um caminhão com carga de gado e solicitou a documentação. O motorista apresentou a nota fiscal e a guia de trânsito de animais emitidas pela Agência Fazendária (Agenfa) de Urutaí, região sudeste de Goiás.

No entanto, o auditor afirmou que apreenderia a carga sob a alegação de que placa do caminhão não estava mencionada no documento e redigiu o termo de apreensão, onde consta que o transporte era feito com nota fiscal irregular. Durante a apreensão, o homem pediu ao motorista o telefone do dono da carga.

Solicitação de pagamentos

Dois dias após a abordagem ao veículo, Adenilson foi informado de que apenas a falta de anotações sobre a placa não era suficiente para apreender o caminhão, mas o auditor não anulou o termo de apreensão e entrou em contato com o dono para informar que a multa a ser paga era de R$120 mil. Porém, afirmou que se o proprietário lhe pegasse R$3 mil, ele destruiria o termo de apreensão e anularia a multa. Durante a conversa, o auditor diminuiu o valor para R$1 mil.

Com a recusa do dono da carga, Adenilson solicitou uma transferência de R$ 300 via PIX para “resolver a situação”, mas o proprietário não efetuou nenhum pagamento e registrou um boletim de ocorrência.

Leis infrigidas

O auditor foi denunciado por inserir, em documentos públicos ou particular, declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante (artigo 299) ; solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem (artigo 317) ; considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública (artigo 327).

Leia também no Mais Goiás

Polícia cumpre 36 mandados contra grupo suspeito de corrupção em Goiás

Oposição tenta viabilizar CPI para apurar suposta interferência do Estado na Polícia Civil de Goiás

Corrupção: MP pede afastamento de vereador e servidores da prefeitura de Valparaíso (GO)

*Jeice Oliveira compõe programa de estágio do Mais Goiás sob supervisão de Hugo Oliveira